Em meio a guerra da Ucrânia, um socorrista tem arriscado sua própria vida para salvar seus 450 animais diante de todos os riscos e situações enfrentadas que estão causando o sofrimento da população.

Desde a ultima quinta-feira, a invasão iniciada pela Rússia deixou 140 mortos, centenas de feridos e mais de um milhão de deslocados. O conflito tem causado danos devastadores aos cidadãos e também aos animais.

Em uma área perto de Kiev, capital da Ucrânia, está localizado o refúgio Italia JK2, que abriga mais de 450 animais de várias espécies, de cavalos a galinhas.

Andrea Cisternino é o fundador do abrigo de animais que chocou o mundo com sua decisão de ficar ao lado deles para protegê-los.

Leia tambémUcrânia convida mães de soldados russos capturados para buscá-los

“Agora tenho que pensar em salvar um abrigo e seus mais de 400 hóspedes que merecem ser protegidos a todo custo, é isso que vou fazer. Prefiro morrer do que deixar meus companheiros morrerem sozinhos”, disse o socorrista.

Ela também escreveu em suas redes sociais: “Há 10 minutos dois aviões militares e um helicóptero de guerra sobrevoaram o abrigo, Oksana disse que um dos aviões atacou. A 30 quilômetros de nós há um aeroporto onde outro ataque foi realizado às 5 da manhã.

Apesar do sério risco de permanecer na área, Andrea está tão empenhado em proteger os animais que não consegue conceber abandoná-los.

Andrea, de nacionalidade italiana, ex-fotógrafo de moda mudou-se para a Ucrânia há uma década com sua esposa Vlada Shalutko, para lutar contra a caça de cães vadios. Juntos, eles abriram um abrigo em Kiev , onde receberam milhares de animais que teriam um resultado fatal.

Atualmente, o refúgio conta com instalações de 20 mil metros quadrados separados em diversas áreas : uma para cães e gatos; outro para pastoreio de vacas e cavalos; outro para galinheiros, armazéns, cozinhas, estábulos e finalmente uma clínica veterinária.

Em 2011, Andrea publicou o livro fotográfico Perros Callejeros, com reportagens protagonizadas por homens e animais. No ano seguinte, quando durante o Campeonato da Europa soube o que sofriam os cães de rua na Ucrânia , tomou a decisão de se mudar para aquele país para ajudá-los.

Naquela época, ele investiu o produto da venda de seus livros na construção do abrigo de animais. Assim começou sua luta naquele país para defender os cães, conscientizar a população e promover o resgate de animais de outras espécies que precisavam de ajuda.

Mas não foi fácil, teve de enfrentar a rejeição daqueles que se dedicavam à prática de caçar cães vadios. Dois anos após a abertura do abrigo, a instalação foi incendiada, causando a perda de 71 cães.

“Ninguém veio nos ajudar, nem mesmo os bombeiros, conseguimos tirar o máximo de cães que pudemos até que o fogo ficou incontrolável”, disse Andrea.

Nenhuma adversidade o fez jogar a toalha, ele construiu um novo abrigo, maior e com melhores condições. Ele chamou o local de KJ2 em homenagem a uma ursa que perdeu a vida nas mãos da violência em Tenino, em 2017.

Agora Andrea enfrenta outra grande adversidade com seus animais, mas nada a fará desistir, nem mesmo os projéteis que ela viu voando sobre o abrigo.

O socorrista tomou a providência de estocar comida e combustível na esperança de que o conflito termine enquanto ele estiver seguro com os animais resgatados.

Leia tambémFilmes da Netflix que nos mostram que se seu parceiro não apoia os seus sonhos é melhor seguir sozinha

Fonte: Zoorprendente

RECOMENDAMOS