A criança quieta que olha o mundo “de canto” e que obedece sempre nem sempre é uma criança feliz, por mais “confortável” que esteja para as pessoas ao seu redor. Muitas vezes, quando sentimos medo, desespero ou vergonha, tendemos a nos esconder em um canto escondido de nós mesmos. Por isso, o ideal é ensinar o respeito, não educar pela obediência cega que parte dessa mesma angústia que rouba identidades.

Não erramos quando dizemos que a questão da obediência é um aspecto supervalorizado, e até mal compreendido, por muitas famílias . Além disso, na boca de muitos pais e mães, ouve-se com demasiada frequência a frase clássica de que “a garantia da felicidade está na obediência” . Também não faltam pais que se orgulham de si mesmos quando veem como seus filhos cumprem as ordens que recebem no início.

Obediência cega não é o mesmo que obediência inteligente. Não, especialmente se for aplicado por medo . Não se a criança for inculcada desde muito cedo na ideia de que o mais importante é agradar o outro, deixando de lado suas próprias necessidades, critérios e vontades intrínsecas.

Leia também: Heroína nacional: ucraniana, mãe de 12 filhos, morre em batalha contra Exército Russo

Mais cedo ou mais tarde, chegará o dia em que aquele pequeno não será mais considerado valioso . Esse momento possivelmente acontecerá quando ele também parar de se defender para permitir que outros o tratem como quiserem.

“O objetivo da educação é mostrar às pessoas como aprender por si mesmas. O outro conceito de educação é a doutrinação”. – Noam Chomsky.

A criança silenciosa e o efeito da educação autoritária

Há escoteiros. Daqueles que tocam em tudo, que olham para tudo e perguntam . Pequenas cores que ocupam espaços com uma curiosidade insaciável. São pequenos felizes. Por outro lado, também há crianças quietas, um pouco mais reservadas, mas que não têm dificuldade em se conectar . Basta encontrar um tema que lhe interesse para vê-los brilhar e demonstrar aquela riqueza sensacional que guardam por dentro. São crianças introvertidas e felizes.

Agora, muitas vezes também podemos encontrar aqueles pequeninos que evitam olhar . Eles parecem procurar o menor canto de seu interior para se enrolar, fingir que não estão lá. Sentir-se a salvo de um mundo que não entendem, mas que obedecem ao pé da letra. São aquelas crianças que não protestam nada, e em cujo vocabulário não há “porquês”, nem as perguntas que exploram, nem os olhos que questionam…

É claro que nossas crianças e alunos precisam de limites e regras estáveis. No entanto, a criança quieta que sempre obedece sem questionar é muitas vezes o produto de uma educação autoritária . Aquele em que as regras são impostas por meio de ameaças e não por meio de inteligência.

A inteligência de quem não usa o medo, mas sim a empatia. Daqueles que preferem transmitir aos filhos o sentido de respeito e a oportunidade de entender por que certas regras, certas normas, devem ser seguidas.

Nesse mesmo contexto, não podemos ignorar um fato quase essencial. As crianças devem compreender a razão de tudo o que lhes é pedido . Se nos limitarmos a impor obediência inquestionável, criaremos pessoas imaturas , perfis que sempre precisarão de alguém que lhes diga o que fazer e o que não fazer em todos os momentos.

Vamos criar crianças felizes, não crianças algemadas pela obediência cega

Como pais, mães ou educadores, há algo que todos nós sabemos. Levantar a voz e dizer a uma criança que “faça isso e faça agora porque eu mando” é um recurso que nos poupa tempo. Fazemo-lo a partir da urgência e dá-nos bons resultados, tudo tem de ser dito.

No entanto, que preço pagamos por isso? Quais são as consequências de aplicar uma obediência imediata que usa o clamor? Os efeitos são imensos. Vamos moldar uma criança com comportamentos tranquilos ou desafiadores. Com esse tipo de dinâmica autoritária, perdemos o que de mais essencial podemos construir com nossos pequenos: a confiança .

Agora, a próxima pergunta seria: como faço para que meu filho me obedeça? É claro que não é fácil, não é quando até agora só conseguimos através de ameaças e punições. No entanto, às vezes a resposta é muito mais simples do que parece. Se queremos que uma criança confie em nós quando lhe pedimos para fazer ou cumprir algo, aprendamos também a confiar nelas, aprendamos a respeitá-las .

O respeito é demonstrado pela escuta. Respondendo a perguntas, raciocinando com eles, incentivando a reciprocidade. O respeito é conquistado levando em conta suas necessidades, suas preferências, suas curiosidades. É necessário, portanto, dar lugar a um tipo de obediência inteligente onde a criança entenda a razão de cada coisa , onde ela internalize as regras, primeiro conhecendo sua utilidade.

Queremos crianças felizes, receptivas ao seu ambiente, ávidas por aprender. Não crianças silenciadas pela sombra do medo e do autoritarismo.

Leia também: Irmãos encontrados após 26 dias perdidos na Floresta Amazônica são resgatados no AM

Fonte: La Vida És Maravilhosa

Compartilhe o post com seus amigos! 😉

RECOMENDAMOS