Construir uma “comunidade de mães” (comprar uma casa e morar juntas) em Vermont, nos EUA, e deixar seus maridos visitarem regularmente o local tem sido uma piada entre as amigas Holly Harper e Herrin Hopper.

Mas quando ambos se divorciaram e foram atingidas pelos altos custos de vida em Washington, D.C,— além da pandemia — a ideia não parecia muito difícil. “Holly e eu dissemos: ‘Por que não fazer isso?'”, disse Harper.

Em um fim de semana, elas encontraram uma casa de quatro unidades, que chamaram de “Casa da Sereia”, em homenagem às criaturas míticas que vivem nas profundezas do mar.

As duas mães solteiras encontraram duas outras solteiras, Jen e Leandra, e todas compraram a casa e foram morar juntas, dividindo tudo e criando seus filhos coletivamente. Não é uma comuna nem uma vida familiar prolongada, mas o acordo beneficiou cada um delas.

“Há quase uma rede de segurança espiritual todos os dias aqui. Eu poderia ser o meu pior eu, eu poderia ser o meu melhor eu, e eles me vêem como eu sou, e está tudo bem”, disse Hopper.

Harper nunca foi de se desviar da tradição, mas a oportunidade de morar com sua amiga veio em um momento crítico de sua vida. Seu casamento tinha acabado, ela tinha feito 40 anos recentemente, e seu pai tinha morrido.

“Assim como minha vida foi queimada até o chão”, lembrou ela. “Eu poderia virar-se para Herrin e dizer: ‘Eu literalmente não tenho mais nada. Vamos fazer isso.” Desde que começaram a viver em comum, Harper percebeu algo realmente libertador: “Você pode fazer o que quiser. Queime o livro de regras da vida e apenas olhe para ele de forma diferente.

Leia também: Irmãos encontrados após 26 dias perdidos na Floresta Amazônica são resgatados no AM

O acordo de co-habitação permitiu que as famílias economizassem dinheiro todos os meses e até mesmo vivessem além de seus meios. As mulheres compartilham tudo, desde comida, carros, deveres de babá até passeios de cachorro e abraços. De acordo com Harper, co-living economiza $30.000 por ano.

A Casa das Sereias é ainda maior e mais barata que a antiga casa de Harper. Após o divórcio, ela alugou um apartamento de 750 metros quadrados por 18 meses. Na época, seu aluguel, estacionamento e utilidades totalizavam US$ 2.550 por mês. Embora eles se divirtam muito, ter várias pessoas em uma casa pode ficar confuso às vezes. “Não sabemos de quem são as meias de quem… meias em todos os lugares”, disse Hopper. “iPads, pratos, xícaras. Há muita troca que ocorre. Normalmente não planejado.

As crianças, de 9 a 14 anos, tornaram-se amigas e desenvolveram uma relação de primos entre si. Eles adoram viver em uma Casa de Sereias porque é o paraíso das crianças — tem uma slackline de parkour, um jardim, uma academia, um trampolim de 15 pés, uma TV de tela grande, um estúdio de artesanato e uma piscina inflável no verão. E quanto às mães solteiras, co-viver deu-lhes outro nível de liberdade.

Se alguém precisa sair de casa, pode fazê-lo sem se preocupar porque sabe que outros adultos em casa podem cuidar de seus filhos. Para manter tudo em ordem, as mães realizam “reuniões regulares de proprietários” para discutir questões, incluindo despesas com quintal, reparo no telhado e afins. E para adicionar diversão ao caso, eles costumam fazê-lo sobre uma garrafa de champanhe.

Muitas mães solteiras que querem tentar um acordo de co-moradia semelhante enviaram-lhes perguntas, e as quatro mulheres só esperam expandir o conceito para outras como elas. “Siren é uma forma de poder feminista, certo?”, Hopper disse.

“Estamos construindo uma comunidade, meio que temos a música da sereia, então unimos as pessoas.” Sua casa não é perfeita, mas dá a essas quatro famílias a maior chance de experimentar as verdadeiras alegrias da vida.

“O objetivo da vida não é alcançar algum plano de felicidade, mas criar um ambiente onde estamos seguros para buscar a felicidade em cada momento”, escreveu Harper.

Leia também: Irmãos encontrados após 26 dias perdidos na Floresta Amazônica são resgatados no AM

Fonte: Positive Outlooks

Compartilhe o post com seus amigos! 😉

 

RECOMENDAMOS