Com o nascimento dos filhos e o sonho da paternidade sendo realizado, o apresentador Marcos Mion, de 42 anos, começou a escrever artigos e reflexões acerca do que é ser, de fato, pai.

“Isso me permitiu admirar diariamente, a cada minuto, todos os detalhes que percebia no desenvolvimento dos meus filhos. Como isso afetava o ambiente ao redor, principalmente a mim e ao meu núcleo familiar mais íntimo, se tornou rapidamente uma diversão e um enorme desafio ao transformá-los em contos, histórias, parágrafos”, escreveu ele em coluna para a Revista Crescer.

Leia também: ‘Transfer-Ido’: empresária do Rio denuncia golpe no PIX: ‘Fizeram uma montagem ridícula’

Não demorou muito para Mion se dar conta que o sucesso dos seus textos não se devia ao fato de serem escritos por ele, mas por conta da crônica escassez de material focado no pai.

“Esse cara, ao ler um material meu, começou a se sentir representado. E, assim, passei a ter engajamento acima do normal em tudo o que escrevia relacionado à paternidade”, explicou.

Para Mion, é comum que o pai saia “em defasagem” quando o filho nasce. Afinal, há a mãe do filho, a mãe da mãe e a matriarca da família para dizer que ele não sabe fazer as coisas direito. “Que é melhor ele se preocupar com outras coisas, como ganhar dinheiro para o sustento da família. Claro que há homens que nem querem dividir as tarefas de um recém-nascido com a mãe. Mas por que será que isso acontece?”, questionou o apresentador.

Isso pode estar ligado à nossa própria cultura, enraizada de que aquilo não é para ele. “Fato é que nada quebra mais o coração duro de um homem que o som mágico do bebê balbuciando “pa-pai”! Por isso, incentivei […] que as mães chamassem esses pais para perto e eles lutassem pelo seu direito de estar com o filho desde o primeiro instante”.

De toda forma, ele pondera, a presença da figura paterna é tão importante quanto a materna. “São complementares na formação de caráter, de personalidade, de autoestima, da confiança e no desenvolvimento das habilidades cognitivas, afetivas e sociais, além da estrutura psicológica. Pai, você é importante. Tanto quanto a mãe”, completou.

Leia também: “Foi uma oportunidade única”, diz padre que celebrou casamento do neto em Porto Alegre

Fonte: CRESCER

Compartilhe o post com seus amigos! 😉

RECOMENDAMOS