Uma cadelinha da raça shih tzu faleceu na última segunda-feira (17) após enfrentar um cão pit bull, que queria atacar sua pequena dona: uma menina de apenas 8 anos que vive em Bauru (SP).

De acordo com o portal G1, a cachorra não resistiu aos ferimentos de mordida, falecendo menos de 24 horas após o ataque.

Conforme contou a psicóloga Thaynara Milano, mãe da pequena Larah, sua cadelinha Lilica e um outro doguinho da família estavam na frente de casa quando o pit bull do vizinho escapou.

“Sentei ali na calçada junto dela e fiquei olhando. A Lilica e o Bola, que é filho dela, saíram e ficaram ali na calçada comigo. Eles sempre ficam ali com alguém junto. Foi tudo muito rápido. O pitbull do vizinho simplesmente abriu o portão e foi para cima da Larah. Nisso, a Lilica se assustou e foi para frente. Foi aí que ele pegou a Lilica e não soltava”, lembrou a psicóloga.

Desesperada e sem opções, ela não pensou duas vezes: levou a filha para dentro de casa e gritou por ajuda, ao passou que tentava fazer alguma coisa que separasse os animais.

“O Bola pulou em cima dele, mordeu, latiu, brigava, e ele [o pit bull] não soltava. A minha reação foi o desespero. Peguei a Larah para entrar para dentro de casa, gritei meu pai que estava na sala vendo um jogo”, relembrou.

Eventualmente, os vizinhos saíram na rua e tentaram ajudar Thaynara, mas já era tarde demais. O cão pit bull só soltou a cadelinha quando um dos moradores da rua o pegou pelo pescoço e o tirou dali.

“Foram cerca de 5 minutos nessa tortura. Ele andou com ela por quatro quarteirões. Vizinhos saíram com balde de água e objetos na tentativa de conseguir fazê-lo soltar a Lilica, mas ele corria, e ninguém acertava. Minha irmã ficou sem reação no chão. Um moço passou de carro e disse que tinha que pegar no pescoço dele. Foi aí que um vizinho sentou em cima dele, pegou no pescoço, e ele soltou”, disse Thaynara.

Ao ser confrontado, o pit bull ficou assustado e correu de volta para a casa dos donos, que não estavam por ali no momento da tragédia.

Nesse momento, Thaynara segurou o portão para que ele não saísse novamente.

“Lilica ficou muito machucada. Aí meu pai a pegou, enrolou em uma toalha e colocou dentro do carro. Um vizinho ligou para uma veterinária e disse que ela estava esperando a gente. Eu estava tão nervosa, que coloquei no GPS e fui seguindo. Quando chegou lá, a veterinária foi clara, dizendo que o estado dela era grave e precisava suturar os machucados. Mas Lilica estava com os sinais vitais muito baixos e não daria para sedar naquele momento. Ela passou a noite internada”, relatou a psicóloga.

Leia tambémJovem adota menina com paralisia e desnutrição grave que foi abandonada pela própria família

No dia seguinte, pela manhã, a cadelinha melhorou e foi possível realizar a sutura das mordidas. Infelizmente, horas depois, ela teve uma parada cardíaca e morreu, aos 6 anos.

“[Nesta segunda] Minha mãe e irmã visitaram a Lilica de manhã e ela estava bem. A veterinária disse que conseguiu fazer a sutura, fez os raios x e, como não tinha lesão ou fratura, só precisava estabilizar a saturação e tudo. E disseram que quando ela estabilizasse já poderia dar alta para ela. A veterinária pediu também para levar almoço para ela, e minha mãe me chamou para ir junto”, disse a psicóloga.

“No meio do caminho, o celular tocou e disseram que ela havia morrido. Começaram a reduzir os sedativos para dor, porque a Lilica tinha apresentado melhora e o coração não aguentou”, completou.

A família agora está de luto. “Se fosse com a Larah, nem sei o que faria. O pit bull foi em direção a ela, a Lilica salvou minha filha. Larah está muito abalada com toda a situação”.

Na terça-feira (18), Thaynara registrou um boletim de ocorrência online e foi até uma delegacia de Bauru (SP) para prestar queixa.

Segundo policiais, o caso será investigado como omissão cautela na guarda/condução de animais. Os donos do pit bull não estavam em casa na hora do ataque.

Leia tambémCaminhoneiro interrompe viagem para alimentar cachorrinhos abandonados em estrada

Ao tomarem conhecimento do que havia acontecido, eles imediatamente entraram em contato com a família de Thaynara e ofereceu ajuda na clínica.

“Ele foi no veterinário ajudar, totalmente arrasado, chorava, perdia perdão e desculpa. Ele disse que iria arcar com todas as despesas e lamentou muito. Ele contou para gente que saiu para trabalhar e bateu o portão, travou e não trancou. E que ele sempre faz isso, e nunca tinha acontecido nada”, lamentou a psicóloga.

Compartilhe o post com seus amigos! 😉

RECOMENDAMOS