A estudante brasileira Ana Julia Monteiro de Carvalho, de 18 anos, está entre os dez finalistas do Global Student Prize 2021, da Fundação Varkey em parceria com a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura). O vencedor será conhecido no dia 10 de novembro e levará um prêmio de US$ 100 mil.

O prêmio está em sua primeira edição e acontece junto com o Global Teacher Prize, conhecido como Nobel da Educação. O Brasil não terá representantes entre os dez finalistas, mas marcou presença entre os 50 selecionados — o educador Greiton Toledo foi escolhido com um projeto em que os alunos criam jogos e atividades para o tratamento do mal de Parkinson.

Leia também: Cachorrinho de rua interrompe apresentação para ajudar ator que fingia estar machucado [VIDEO]

Para Ana Julia, estar entre os dez melhores alunos do mundo já é motivo de comemoração. “Não esperava nem estar entre os 50”, relembra. Moradora de Maceió, em Alagoas, a finalista é aluna da Escola Industrial de Educação Básica do SESI Abelardo Lopes. Para chegar à final do prêmio, passou por mais de 3.500 indicações e candidaturas de 94 países.

A jovem coleciona medalhas de competições de robótica e projetos científicos. Já com 13 anos, ela foi cofundadora da primeira equipe de competição robótica da escola. “A classificatória regional de um dos campeonatos foi no Sul, e nós fomos vestidos de cangaceiros científicos como um ato contra a xenofobia. Ganhamos o regional e uma das categoria na etapa internacional”, conta a estudante.

A vitória inspirou outros alunos da sua escola. No ano seguinte, de 20 estudantes inscritos, 300 manifestaram interesse na competição.

Entre seus projetos, está a criação do Aerador Sustentável, um mecanismo para aumentar a produção de leite em áreas de subsistência, oxigenando a água do gado com energia eólica. “Gosto de encontrar soluções para problemas que a comunidade enfrenta. Sabe aquilo que ninguém encontra uma resposta? Então, eu gosto de resolver”, contou.

Caso ganhe o prêmio, Ana afirma que pretende manter os pés no chão. “Quero investir uma parte para estudar no exterior e também quero construir alguma organização, onde eu possa ajudar outros jovens a desenvolverem seus projetos e até mesmo desenvolver as habilidades deles”, explica.

Parabéns a Ana Julia por chegar aos dez finalistas. Sua história destaca claramente a importância da educação para enfrentar os grandes desafios que temos pela frente – das mudanças climáticas à crescente desigualdade e às pandemias globais.”

O prêmio foi aberto para alunos do mundo inteiro com mais de 16 anos e matriculados em uma instituição acadêmica ou algum programa de treinamento e habilidades.

Leia também: Vídeo de bebê que entra em piscina sozinha e é salva pelo pai viraliza: entenda o alerta

Fonte: BBC

Compartilhe o post com seus amigos! 😉

RECOMENDAMOS