Criamos manuais para quase tudo e pensamos que podemos planejar absolutamente tudo, afetando nossa capacidade de criar, pensar e sentir. A curta Liberação do controle nos ensina que é essencial parar de interferir no natural se quisermos evoluir e crescer.

Amamos ser controladores mais do que estar no controle. Vivemos com a intenção de lidar com cada detalhe, de fingir que as coisas funcionam como pensamos e de tentar restringir nossas abordagens. Mas a verdade é que, se queremos que nossos projetos se desenvolvam, temos que estar cientes de que não podemos ter 100% de certeza de que o que fazemos ou decidimos vai funcionar.

“Quem sofre antes do tempo, sofre mais do que o necessário.”
-Séneca-

Um breve reflexão sobre a nossa maneira de ver a vida
Este curta sobre abrir mão do controle conta a história de Dechen, um monge budista tibetano em treinamento que tem uma grande paixão pela jardinagem. No vídeo você pode ver como ele planta uma flor, observa e cuida dela com muito carinho e dedicação. Vamos ver o que acontece ao liberar o controle :

Como vimos no controle de liberação curta, a planta está perdendo força apesar dos cuidados. No momento em que a flor primorosa é trazida para o templo, a flor começa a desmoronar causando grande mal-entendido e pesar em nosso protagonista.

Leia também: Aquilo que mais desejamos é o que, muitas vezes, nos destrói”(conto budista)

Dechen não pode aceitar a situação, então o monge principal, Angmo, é forçado a intervir e resgatar sua pupila de si mesmo. Felizmente, Dechen consegue entender que, ao eliminar a necessidade de poder e controle, sua flor começa a crescer.

Em vez de falar sobre uma flor, podemos falar sobre um projeto vital, uma pessoa como nosso parceiro ou um filho, nossos sentimentos, nossas emoções ou nossa capacidade de aproveitar a vida.

Abraçar a vida, uma questão pendente
Para abraçar a vida devemos nos livrar das cadeias que prendem as coincidências, porque se tentarmos manter tudo sob controle subtraímos opções do acaso, da flexibilidade e da inovação.

Leia ainda: “O Rei que deportava seus cidadãos idosos”- um conto budista que nos traz profundas reflexões

Você não pode ter tudo amarrado e amarrado. É impossível controlar tudo. Na verdade, fazer isso vai contra a natureza de várias maneiras.

Já dissemos muitas vezes que às vezes as coisas acontecem quando menos esperamos e que, embora tudo exija trabalho e esforço , devemos nos permitir a possibilidade de que aconteça.

Em si mesmo, trata-se de relaxar os limites que nos impomos e tornar nosso pensamento mais flexível. Devemos ter uma série de mensagens claras:

Não é que uma relação seja como a idealizamos, pois cada pessoa é um mundo e, portanto, cada relação será ÚNICA.

É provável que para os nossos filhos queiramos o melhor e por isso procuramos orientá-los pelo caminho que consideramos mais adequado. No entanto, o melhor e mais positivo para uma criança é ser conduzida por um caminho que lhe permita ter uma mensagem clara: VOCÊ DEVE SER VOCÊ MESMO.
O mesmo acontece com os projetos, quando enxergamos apenas um caminho acabamos afogando infinitas oportunidades que pairam ao nosso redor.

Assim, digamos que abandonar o desejo de controle e poder requer uma reflexão profunda na qual nos perguntamos se realmente nos tornamos intolerantes e nos afastamos do verdadeiro objetivo.

Por exemplo: queremos nosso parceiro como ele é ou como o moldamos ? Estamos deixando nossos filhos decidirem e construir sua autonomia ou estamos realmente nos exagerando ao orientá-los para onde os queremos? Quantas maneiras de percorrer o caminho existem? e o que estamos fazendo?

Com isso, queremos dizer que às vezes em nosso desejo de fazer as coisas bem, acabamos prejudicando a natureza dos eventos. Porque no final das contas, para ter sucesso e ser um pequeno gênio, devemos nos aproximar da “loucura” e deixar de lado o “bom senso”. Assim poderemos ver com outros olhos o que os outros veem, porque em cada história existem tantas nuances quantas são as pessoas e as circunstâncias.

O alívio de perder o controle
Manter as coisas sob controle não é tão fácil. As pessoas controladoras costumam ser episódios de medo e insegurança. Presos pela angústia, sofrem por uma liberdade que não conhecem ou não têm forças para conquistar …

Rachel Aldana
Graduada em Psicologia, Especialista em Terapias Contextuais / 3ª Geração, Especialista em Terapia Cognitivo-Comportamental e Especialista em Educação Emocional. Diretora da Raquel Aldana -Psicología (www.aldanapsicologia.com), onde realiza treinamento e terapia online . Número colegiado: R – 00714. Sua principal dedicação é a clínica, mas combina o trabalho na área da saúde com diferentes projetos.

O texto foi traduzido e adaptado do site La Mente és Maravillosa

A Revista Pazes apoia as medidas sociais de isolamento.
Se puder, fique em casa. Evite aglomerações. Use máscara.
Quando chegar a sua vez, vacine-se.
A vida agradece!

RECOMENDAMOS






Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!