Texto de Valeria Sabater
“Quando alguém julgar seu caminho, dê a ele seus sapatos.” Essa frase muito comum contém em si mesma mais de uma realidade e mais de um conceito que vale a pena levar em conta. Poderíamos dizer que todos nós fomos sujeitos a julgamentos, o foco de alguma opinião mais ou menos precisa que nos magoou ou incomodou.

Como lidamos com esse tipo de situação?
Primeiro de tudo, respirar e marcar uma distância necessária . O mais importante é entender a necessidade que as pessoas geralmente têm de fazer julgamentos. É algo que sempre foi feito e sempre será feito. A segunda fase será simples, aceite que o que eles disseram não vai com você, “despersonalize” isso . Essas palavras não são você, elas não definem você … Então, empreste seus sapatos para elas para ver a realidade real.

Normalmente, pessoas com baixa autoestima são aquelas que fazem os julgamentos mais errados. Quando uma pessoa não se aceita incondicionalmente, ela não pode aceitar os outros da mesma maneira. É rígido, perfeccionista e crítico de um modo quase arbitrário.


Por que nós julgamos os outros?
Ninguém gosta de ser julgado, porque com isso, o que realmente é feito é inserir um rótulo com o qual definir e até nos sentenciar. No entanto, há algo que também devemos deixar claro: “se você não quiser ser julgado, evite fazer o mesmo com os outros”.

Agora, como os psicólogos nos dizem, todos nós temos uma pequena tendência a classificar ou categorizar muitas das pessoas ao nosso redor. Alguns são imaturos , outros são preguiçosos, outros são inconstantes ou irresponsáveis ou uma pessoa tão negativa quanto insegura…

E embora seja muito possível que acertemos em muitos desses julgamentos, dado que vivemos ou nos relacionamos com eles diariamente, devemos estar conscientes de que é algo que não deve ser feito com leviandade . Poderíamos dizer que, antes de proferir uma sentença, vale a pena ser levado diariamente para ” nos colocarmos no lugar deles ” , para ver como eles se sentem, como reagem, como sofrem ou como se relacionam com o mundo e conosco.

Vamos ver agora o que geralmente está por trás de uma pessoa acostumada a julgar.

1. Baixa autoestima
Quando uma pessoa tem baixa autoestima, é comum que ela use os julgamentos para se colocar em uma posição de controle a partir da qual se defender e se proteger dos outros. Ela vai chamá-lo de “inseguro” ou “mal sucedido”, porque, na realidade, é assim que ela se sente. No entanto, ao se rotular dessa forma, essa pessoa exerce controle sobre você, ficando como o oposto.

Ou seja, pessoas com baixa autoestima projetam seu próprio vazio e inseguranças para os outros. Longe de ver essas dimensões em si, é mais fácil projetá-las nos outros e julgá-las por elas. É catártico e lhes oferece poder.

2. Falta de empatia
É evidente. Quem julga sem saber e levemente com a ideia de fazer mal, falta empatia. E mais ainda, quem não vê nos outros certas dimensões, é que não sabe ler em si mesmo suas próprias necessidades, seu próprio vazio , defeitos ou virtudes.

É mais fácil julgar os outros do que fazer uma leitura interna para nos conhecermos com humildade e, por sua vez, oferecer respeito aos outros.

3. feridas emocionais
Quem foi ferido pode reagir de duas maneiras. A primeira maneira é obter um conhecimento emocional do que aconteceu para agir com resiliência e seguir em frente e, por sua vez, ser mais sábio ao gerenciar determinadas situações. Nesse caso, sem dúvida teríamos pessoas mais empáticas que, longe de julgar levianamente, saberiam servir melhor e entender sem “lombar”.


Por outro lado, teríamos essas outras personalidades que, depois de terem vivido uma situação mais ou menos dolorosa, não o processaram ou administraram bem. Existe o rancor e o ressentimento, um tão sério e prejudicial que o leva a ter que julgar os outros, projetando nos outros sua amargura, suas dores, suas “sombras”.

Em vez de confrontar situações problemáticas de maneira mais aberta, criativa e respeitosa, elas o fazem do ponto de vista derrotista, sendo, sem dúvida, comportamentos muito tóxicos e prejudiciais.

Antes de julgar, devemos nos aceitar incondicionalmente com nossas deficiências e nossos talentos. Quando alguém trabalha com seu perfeccionismo e auto aceitação, ele aumenta sua autoestima, e será então que mudará sua maneira de se relacionar consigo mesmo e com os outros.

FONTELa Mente Es Maravillosa
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!