É claro que quando encontramos alguém que agrada aos nossos olhos, fisicamente, nos sentimos atraídos e admirados, mas já parou pra pensar o quanto o nosso coração dispara quando sentimos atração mental por alguém?

A atração mental não pode ser vista, tocada, mas é sentida com todo o coração. É quando conhecemos uma pessoa que preenche a nossa alma, nos emociona e tudo se move em um ritmo diferente simplesmente pela presença dela, pela forma como ela fala, argumenta e vive sua vida em geral.

Leia também: Menino de 10 anos assa bolos para pagar cirurgia reconstrutiva no rosto e pescoço

Quando admiramos alguém falando ou discutindo sobre um assunto que nos move, por uma militância parecida, por exemplo, um ideal incomum, ou não, por ser apenas a linda forma que ela tem de viver a vida, que te deixa encantada. Pronto! Se você já sentiu isso observando alguém, você sabe do que estamos falando.

O prazer da conexão

Quantas vezes você já olhou para alguém e pensou: “ele até que é bonito, mas parece que falta algo!” Isso, você está começando a entender o que estamos provando aqui, o quanto a beleza física é detalhe, pois quando você se conecta com alguém de verdade, o prazer físico acaba sendo mero complemento, você percebe que o que realmente vai te importar, são quantas horas vocês terão para conversar e compartilhar histórias de vida.

A importância do conjunto

Sem dúvida um dos “setores” mais importantes da vida de qualquer pessoa, é a área relacional e todos os pontos que compõem esse conjunto, entender que nenhum dos elementos é solitário é uma sacada importante.

Na relação sexual por exemplo, além do toque e do movimento, o que você sente e a intimidade que você tem com o seu parceiro, acaba sendo muitas vezes definitivo para o prazer de verdade. Independente do tempo que estão juntos, refere a conexão mental que vocês construíram, por isso pense nisso, e valorize aquelas pessoas que fazem os seus olhos brilharem além do corpo.

Leia também: Jovem com câncer terminal se forma no ensino médio rodeado de amigos e familiares

Fonte: Club de los Libros Perdidos

Compartilhe o post com seus amigos! 😉

RECOMENDAMOS