Na última terça-feira (25), um buzinaço chamou a atenção dos motoristas de Taguatinga e Ceilândia, regiões administrativas do Distrito Federal.

Ao longo de 8 quilômetros, a técnica de enfermagem aposentada Tânia Lacerda usou sua buzina e dezenas de latinhas amarradas ao parachoque do carro para comemorar o divórcio – que ocorreu “antes tarde do que nunca”.

Com a frase “enfim divorciada” estampada no vidro traseiro, Tânia revelava seu sentimento após 36 anos de um casamento abusivo, que jamais deveria ter acontecido.

“Nem sei como consegui viver tantos anos assim. Quantas vezes passei por situações que minha família nem ficou sabendo”, contou.

Leia também: Mãe joga filha de 3 anos dentro de jaula de urso e animal não fere a criança

Em entrevista ao portal G1, Tânia contou que conhecer histórias envolvendo crimes de feminicídio a fez criar coragem de pedir o divórcio.

“Nós, mulheres, sempre achamos que o parceiro vai mudar, mas eles não mudam. A gente tem que tomar consciência e buscar nosso amor próprio pra sair desses ciclos de abuso”, disse.

No ano passado, a Secretaria de Segurança Pública do DF registrou um aumento de 47% dos casos de feminicídio somente na capital federal.

Foram 25 mortes em 2021, contra 17 no ano anterior.

“Quando eu soube que a justiça autorizou o meu divórcio, minha vontade foi de gritar aos quatro cantos do mundo que consegui sair dessa prisão. Foi uma sensação de liberdade, uma alegria imensa”, disse a técnica de enfermagem aposentada.

Ainda assim, o caminho até a separação completa foi “longo e de muito sofrimento”. Ela contou que o primeiro episódio de agressão aconteceu há 20 anos.

“Foi na casa da minha mãe. Ele [ex-marido] pegou um facão e cortou uma porta inteira. Nesse dia eu tive muito medo, e não voltei pra casa. Mas, por questões de dinheiro, acabei voltando depois”, relembrou.

“São muitas coisas que acabam prendendo a gente a alguns relacionamentos. Eu me casei em uma época em que o casamento era pra sempre. Pra ver os filhos cresceram, e envelhecer juntos, um cuidando do outro. Mas, com o tempo, eu entendi que só eu estava nesse casamento. Eu sofri muito, e fui perdendo até minha saúde”.

“Agora é vida nova. O pior já passou, é passado”, completou a recém-divorciada.

Confira o vídeo:

Leia também: “O incrível pacto de silêncio da mídia no caso Leifert!”, refletiu Keila Jimenez

Fonte: ND+

Compartilhe o post com seus amigos! 😉

RECOMENDAMOS