Sabe-se que na maioria das vezes, após o divórcio, são as mulheres que realizam a criação dos filhos, e às vezes até mesmo sem apoio financeiro dos pais. Foi exatamente com isso que Holly Harper teve que conviver depois que seu casamento acabou, mas ela concebeu a maneira ideal de reduzir despesas e manter sua qualidade de vida.

Quando Holly Harper se divorciou de seu marido, ela nunca pensou que sustentar seu filho financeiramente seria tão difícil. Em seu primeiro ano de divórcio, ela teve que pagar mais de 2.000 dólares apenas pelo aluguel, sem contar tudo o que tinha para pagar as contas de água, luz, alimentação e educação de seu filho.

Depois de iniciar uma batalha judicial em seu divórcio, a mulher conseguiu obter uma grande soma de dinheiro, que decidiu investir. Holly comprou uma casa antiga de 1927, que reformou e depois alugou, mas para ser compartilhada.

Leia também: “Ela se esqueceu de nós”, diz familiares de Georgina Rodríguez, namorada de Cristiano Ronaldo

Holly achava que, assim como ela, havia muitas mães solteiras que precisavam cuidar totalmente de seus filhos. Assim, a mulher quis procurar essas outras mães e oferecer-lhes para viver com ela na sua nova casa, de forma a partilhar as despesas que uma casa implica.

Surpreendentemente, Harper encontrou três mulheres com filhos que decidiram dizer sim e morar com ela. Daquele dia em diante, Holly e seu filho adquiriram uma segunda família.

Hoje, as mães batizaram a casa como Siren House. Lá as quatro mães solteiras dividem as despesas e seu dia a dia. Quando algo falha, como o aquecimento, todos contribuem para consertá-lo. A hipoteca é compartilhada por todos e também a comida. Graças ao seu sistema, Holly conseguiu economizar US$ 30.000 em apenas um ano, que ela gastaria sozinha no aluguel.

Jen, uma das inquilinas, é professora de esportes. Ela mesma criou uma espécie de academia no quintal da casa , onde as quatro mães praticam atividades todas as tardes e as crianças brincam no trampolim . As mulheres até se reuniram para criar um “fundo de emergência” para usar se alguém da casa adoecesse no hospital.

Graças à ideia de Holly, ela deixou de criar o filho sozinha para construir uma rede de apoio entre as mulheres. Hoje todos compartilham a educação de seus filhos com a família que criaram.

Leia também: “Tem que ter fé e esperança”, diz mãe de menina diagnosticada com retinoblastoma aos 2 anos

Fonte: Upsocl

Compartilhe o post com seus amigos! 😉

RECOMENDAMOS