Elas posam satisfeitas e sorriem depois de coletar centenas de lixo de plástico na praia: estamos falando de um grupo de crianças de uma vila de pescadores perto de Mahajanga, a cidade das flores em Madagascar, que todos os domingos de manhã, ao lado de voluntários da ONG ‘Mahajanga Ville Propre’, tiram algumas horas do dia para fazer o bem.

Agostino Montalti é presidente da associação italiana “Tarta Club Italia”, a maior da Itália especializada na proteção de tartarugas, que conta com mais de 400 membros. Vive em Madagascar e na aldeia que agora se tornou a sua casa.

Recentemente, ele lançou outro projeto com uma associação para a defesa do meio marinho. “Por um lado limpamos a praia, por outro protegemos as tartarugas marinhas que confundem este lixo com água-viva”, explica Montalti.

E há todo um aspecto social, que é feito pelo envolvimento da comunidade e principalmente das crianças.

Leia também: “Sinto-me realizada sem me casar ou ter filhos”: Oprah Winfrey não se arrepende de sua decisão

“São elas que, com as camisetas laranja, recolhem a maior parte do lixo. Aqui o plástico não é considerado problema e boa parte se queima”, disse. E como sempre dizemos, o plástico acaba destruindo o ecossistema marinho.

O Tarta Club Italia chegou a Madagascar em 2009 com o objetivo de salvar as espécies endêmicas e sobretudo as mais raras do mundo, a Astrochelys yniphora.

“Após alguns anos de colaboração com uma associação internacional, decidimos construir um parque dedicado à recuperação e conservação de espécies endêmicas. Em 2014 nasceu a ideia de envolver as crianças da aldeia na coleta da grande quantidade de plástico que fica abandonado na praia e acaba no mar, causando um desastre ecológico ao matar as tartarugas marinhas ”, diz Montalti.

Assim, com um quadriciclo e um carrinho, toda manhã de domingo os voluntários da associação e cerca de trinta crianças retiram, de uma vez, 250 kg de plástico. Um trabalho extraordinário que revela, no entanto, uma forte poluição e a falta de atenção das instituições ao problema.

Em 2017 a associação obteve o reconhecimento do Ministério do Interior malgaxe e foi autorizada pelo prefeito da cidade a continuar seus trabalhos. E de fato hoje a praia onde existe esta obra de recuperação por baixo tornou-se a mais visitada com mais de um milhão de presenças.

Mas as dificuldades não faltam. “Temos problemas com gerentes de praia, guarda-sóis, bares e lojistas de todos os tipos, todos regularmente abusivos, que muitas vezes me intimidam e ameaçam, até a morte, porque não gostam que eu limpe a praia. Eu os incomodo porque com a nossa consciência contínua, eles têm medo de perder a ocupação da terra”, completou.

Leia também: Caldo de “mandioca com costela” que é uma verdadeira delícia

Fonte: Green Me

Compartilhe o post com seus amigos! 😉

RECOMENDAMOS