Quando chegou ao mundo, há seis meses, Blaze Soliai, de Sacramento, na Califórnia, Estados Unidos, era um bebê com tamanho mediano. Como a maior parte dos recém-nascidos típicos, tinha por volta de 3 kg. Em pouco tempo, no entanto, ela começou a dobrar e, então, triplicou de tamanho. Hoje, aos 6 meses, ela tem 11 kg e chama a atenção por onde passa – sem falar na internet.

A pergunta que a maioria das pessoas faz para Leanne, sua mãe, é: o que essa bebê come? Ela toma fórmula? Você coloca cereais no leite dela? A resposta de Leanne é sempre negativa. Blaze é alimentada única e exclusivamente com leite materno. Agora é que deverá começar a introdução alimentar com sólidos, mas, por enquanto, nada além do peito.

“Ela tem 11 kg e está fora da curva de crescimento [para mais, é claro]”, conta a mãe, em entrevista ao Today Parents. “Sempre que saímos de casa, as pessoas ficam: ‘Oh, meu Deus, eu só quero apertar essas bochechas’. Ela chama muito a atenção”, complementa Leanne, que também posta vídeos e gracinhas da menina no TikTok, onde ela ganha mais fãs a cada dia.

Leia também: Casal que teve gêmeas inter-raciais recebe a mesma bênção após 7 anos: ‘1 chance em 500 mil’

No entanto, infelizmente, há também os comentários negativos. “Ela vai sofrer bullying quando crescer”, disse uma pessoa. Outra disparou: “Isso é saudável? Meu bebê está previsto para maio e eu planejava amamentá-lo, mas se for para ele ficar obeso, assim, não quero”.

Um bebê pode ser obeso sendo amamentado no peito?

Não. Pelo contrário. Até os seis meses de vida, os pediatras recomendam o aleitamento materno exclusivo, por livre demanda. Não se engane com crenças equivocadas de que seu leite é fraco ou de que o de vaca é mais nutritivo, fazendo a substituição. Dentre inúmeros benefícios, estudos provam que os bebês alimentados apenas com leite materno têm menos chances de se tornarem obesos na adolescência e na vida adulta.

“Nós nascemos com a saciedade regulada, então, é muito difícil um bebê mamar mais do que precisa, a ponto de ganhar peso excessivo”, conta Renata Maria de Noronha, endocrinologista infantil do Hospital São Luiz (SP). Alguns podem até parecer mais gordinhos nos primeiros meses, mas o peso se equilibra logo que eles começam a engatinhar e a andar.

Leia também: A criança quieta e obediente nem sempre é uma criança feliz

Fonte: O Segredo

Compartilhe o post com seus amigos! 😉

RECOMENDAMOS