Aos 38 anos e mãe de primeira viagem, a artista Giselle Itié usa as redes sociais para falar sobre feminismo, carreira e maternidade real.

Sem retoques nem filtros, Giselle aparece em seu perfil do Instagram para conversar com os seguidores sobre os desafios de criar um filho em uma sociedade patriarcal, machista e “dolorosa para a mulher”.

A atriz brasileira ganhou as manchetes recentemente por causa de sua decisão de ensinar seu novo filho de uma forma diferente do que eles fizeram com ela e sua geração. É por isso que ela disse em uma entrevista que seu filho de um ano já faz parte da revolução do que significa ser um homem e uma mulher, ou uma menina e uma menina.

Leia também: Filhos de Cid Moreira pedem interdição do pai, de 93 anos, e prisão da madrasta

Por isso, a mamãe de primeira viagem anunciou que faz questão de que o filho brinque tanto com os brinquedos de meninos, como os tradicionalmente associados às meninas.

Isso inclui bonecas. Como o bebê ainda é muito pequeno, ela espera que o menino não perceba as diferenças entre um brinquedo e outro, para que cresça livre dos preconceitos associados a um ou outro.

Claro que, ao contá-lo, algumas pessoas reagiram negativamente, apontando que o que ele estava fazendo era impor suas próprias ideologias a um menino que ainda não tem capacidade de discernimento.

Leia também: Gato de rua abraça cachorrinho que foi abandonado pelos donos: ‘Exemplo de empatia’

Por outro lado, pode-se argumentar que, sendo ela a mãe, Gisele é livre para ensinar-lhe as lições que julgar apropriadas para o filho. De certa forma, não é muito diferente de um pai escolher se quer criar seu filho para seguir uma determinada religião ou outra.

“Temos que valorizar o lado feminino dos homens. Por isso é importante que os pais cuidem deles, deem bonecas aos filhos, eles têm que entender o quanto é importante acolher, amamentar, alimentar outra vida. As crianças aprendem pelo exemplo, por isso acho que o Pedro Luna [ano e meio] não vai ser machista. Quero que ele seja livre para ser quem quiser, sem ser culpado por isso. Como um homem branco, espero que ele aproveite esse privilégio e possa ajudar outras pessoas”, completou Giselle ao portal Universa.

Uma mulher moderna, que faz de tudo pensando em criar um bom filho.

Fonte: Upsocl

Compartilhe o post com seus amigos! 😉

RECOMENDAMOS