Florbela Espanca nas vozes de Fagner e Zeca Baleiro

Unir poesia e música é uma tarefa grandiosa, que muito nos eleva enquanto seres ouvintes e pensantes.

Como podemos observar no vídeo abaixo, ficou belíssima a canção criada em cima do soneto de Florbela Espanca, sensível poetisa portuguesa cuja força e a intensidade se faz notar logo nos primeiros versos.

Escolhemos o vídeo em que a música é cantada por Fagner e Zeca Baleiro.

“Fanatismo
Minh’alma, de sonhar-te, anda perdida
Meus olhos andam cegos de te ver !
Não és sequer a razão do meu viver,
Pois que tu és já toda a minha vida !

Não vejo nada assim enlouquecida …
Passo no mundo, meu Amor, a ler
No misterioso livro do teu ser
A mesma história tantas vezes lida !

“Tudo no mundo é frágil, tudo passa …”
Quando me dizem isto, toda a graça
Duma boca divina fala em mim !

E, olhos postos em ti, digo de rastros:
“Ah ! Podem voar mundos, morrer astros,
Que tu és como Deus : Princípio e Fim!

Florbela Espanca”

COMPARTILHAR
Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!



COMENTÁRIOS