Quando entrou aqui, aqui na minha vida,

Você…

Roeu coleiras caras. Macerou a orquídea rara.

Fez diários clipes de machetes pelo jardim, esquartejado o jornal.

Mastigou minha blusa de grife. Rasgou meu sapato assinado.

Derrubou e quebrou um vaso de cinquenta quilos.

Colheu a flor da bromélia tão esperada e deixou-a na porta para mim.

Comeu meu brinco solitário.

Desenhou cicatrizes na minha pele hidratada a frutas vermelhas e vanilla.

Desfiou meu pulover amarelo que levei dois anos a tecer.

Multiplicou a mangueira do jardim em muitas mais.

Fez e faz o mesmo com seu colchãozinho, sua manta e as meias da sua Dinda.
Customizou toalhas e lençóis no varal, dando-lhes assimétricas franjas.

E, é tanto e mais, que me cansaria em documentar suas façanhas em série.

Paro por aqui. Basta que se diga, todos os dias você tem um verbo novo a inaugurar.

Encerro bendizendo a sua chegada, e com ela o valioso ensinamento que – feliz – sigo levando e aprendendo, um pouco a cada dia:

O desapego ao material daquilo que se vai, daquilo que se perde; pois, que sim, existem apenas para serem consumidos. Que é do incondicional de que o Amor é feito.

Se, o que é pensado como ser amor, tropeça em “se” e “mas”, Amor não é.

Ama-se ou não, simples assim.

O verbo vivo que deveria permear todos os outros, apenas um.

Um verbo, que na sua excelência, melhor conjugado seria entre tudo que seja vivo.

O verbo é amar.

Amo-te, cão meu!
**********************************

Texto de Suzi Amaral
Imagem de Spiritze por Pixabay

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!