Texto de Jennifer Delgado Suárez publicado originalmente em Rincon de la Psicologia

Reunir, guardar, empilhar, são ações que a maioria de nós conhece perfeitamente. Empilhamos as coisas por diferentes razões. Porque eles têm valor sentimental. Porque achamos que precisamos deles em algum momento vago no futuro distante. Porque gastamos dinheiro com eles e achamos que seria um pecado jogá-los fora, mesmo que os usemos há anos e estamos tão desgastados que praticamente se desintegram …

Se sucumbirmos a essa mentalidade, é provável que ainda tenhamos aquele evento horrível que compramos anos atrás, enquanto viajávamos, aquele livro que está na prateleira há décadas sem a gente abrir, ou aqueles sapatos que guardamos para uma “ocasião especial” que nunca vem No entanto, cercar-nos de coisas e mais coisas pode afetar nosso bem-estar, além de afetar nosso raciocínio.

O distúrbio sobrecarrega nosso cérebro e nos estressa
O caos e a desordem causados ​​pelo excesso de posses acabam cobrando seu preço – quer estejamos ou não – porque somos sensíveis ao nosso ambiente. Formas, cores, disposição no espaço, cheiros e até temperatura influenciam nosso humor e podem nos fazer tomar decisões melhores ou piores.

Pesquisadores da Universidade da Califórnia descobriram que um excesso de objetos em casa causa superestimulação e sobrecarga no nível do cérebro. O resultado? Uma sensação sutil, mas constante de estresse e níveis mais altos de cortisol que aumentam ao longo do dia.

De fato, pesquisadores do Instituto de Neurociências da Universidade de Princeton confirmaram que um campo visual com múltiplos estímulos limita nossa capacidade de processar informações e aumenta as chances de distração. Eles explicam: ” Quando existem múltiplos estímulos no campo visual ao mesmo tempo, eles competem pela representação neural suprimindo mutuamente a atividade que geram por todo o córtex visual, de modo a limitar a capacidade de processamento do sistema visual “.

Em outras palavras, quando o ambiente é confuso, o caos limita a capacidade do cérebro de processar informações, pois são mantidas diferentes redes neurais ativas. É como se uma criança estivesse nos chamando e puxando a saia continuamente. Nós podemos nos concentrar. Sim. Mas nossos recursos serão limitados porque nossa atenção é distribuída. Como resultado dessa distração, não seremos capazes de processar as informações da mesma forma que em um ambiente mais organizado, limpo e claro.

O distúrbio nos leva a tomar decisões piores

Se não formos capazes de processar as informações completamente, aumentam as chances de tomarmos decisões piores. Pesquisadores da Universidade da Colúmbia Britânica descobriram que, quando estamos em salas bagunçadas, nosso grau de autocontrole diminui e tendemos a tomar decisões mais impulsivas do que podemos nos arrepender mais tarde. Tudo parece indicar que o caos gera um estado de ativação interna que nos leva a agir, sem avaliar cuidadosamente as consequências dessa decisão.

De fato, os neurocientistas da Universidade McMaster corroboram que, quando estamos em ambientes desordenados e heterogêneos, nosso cérebro funciona de maneira diferente: não apenas cometemos mais erros, como também confiamos em nós mesmos mais do que deveríamos. Ou seja, o distúrbio não apenas nos impede de pensar com clareza, mas também nos leva a cometer erros de julgamento e, pior ainda, nos faz acreditar que estamos tomando a decisão certa, sem sombra de dúvida.

Dessa maneira, desordem e excesso de bens seriam uma espécie de bomba-relógio. Eles se juntam a nós em um círculo vicioso marcado por estresse, más decisões e frustração, além de tirar a capacidade necessária para avaliar objetivamente nosso comportamento.

Menos coisas = Mais ordem, mais simplicidade, mais felicidade
Nossos processos cognitivos e emocionais são extremamente suscetíveis aos sinais que vêm de fora. Isso significa que, embora não precisemos chegar ao extremo do minimalismo que o escritor japonês Fumio Sasaki prega, devemos estar cientes de que ter menos coisas pode eliminar o distúrbio e nos ajudar a criar um ambiente visualmente mais claro que promova uma maior sensação de bem-estar e nos ajude Ajude a esclarecer nossa mente e a tomar melhores decisões.

O segredo é simples: pratique o desapego seguindo o método de Marie Kondo . Isso significa que devemos descartar tudo o que não é útil, não precisamos, não nos deixa felizes ou não tem um significado emocional especial, porque essas coisas estão apenas ocupando espaço físico e emocional, criando caos e alimentando insegurança.

Em vez disso, devemos deixar apenas as coisas funcionais e / ou que nos fazem sentir bem quando as vemos. Basicamente, se um objeto não tem um significado especial ou não é funcional, ele não precisa ocupar um lugar em nossa casa.

Para começar, precisamos visualizar que tipo de lar queremos e o que realmente precisamos em nossas vidas. O que “precisamos” é realmente funcional ou isso nos dá felicidade, paz e / ou nos permite crescer? São perguntas que, mais cedo ou mais tarde, devemos nos perguntar, porque elas nos ajudarão a criar um espaço sereno que promova a paz interior e nos ajude a tomar melhores decisões. Como Pitágoras disse: ” com ordem e tempo é o segredo para fazer tudo e fazê-lo bem “.

Fontes:

Boyoun, G. et. Al. (2014) Desordem ambiental leva a falhas autorregulatórias. Journal of Consumer Research ; 40 (6): 1203-1218.

McMains, S. & Kastner, S. (2011) Interações de mecanismos top-down e bottom-up no córtex visual humano. J. Neurosci ; 31 (2): 587-597.

Saxbe, D. & Repetti, RL (2010) Para melhor ou para pior? Coregulação dos níveis de cortisol e estados de humor dos casais. J Pers Soc Psychol; 98 (1): 92-103.

Saxbe, D. & Repetti, RL (2010) No Place Like Home: as excursões caseiras se correlacionam com os padrões diários de humor e cortisol. Boletim de Personalidade e Psicologia Social ; 36 (1): 71-81.

Baldassi, S. et. Al. (2006) A desordem visual causa erros de alta magnitude. PLoS Biol ; 4 (3): e56.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!