Trecho do livro ” O silêncio da alma”, de José Carlos Rodrigues

Palavras do Tempo

Oh tempo! Quanto tempo perdeste para me encontrar aqui mesmo, neste pedacinho de chão, tão perto da tua suave brisa? Quanto tempo deixaste de me procurar, enquanto vagueei à procura daquela linda mulher? A causa principal do meu sofrimento é a tua pressão nos meus dias de tempestade, sobre a força do meu querer na conquista de uma linda criatura, tão humana quanto a minha maneira de ser. Meus sonhos limitam-se a imaginar a tua coragem, tão frágil como a minha linda declaração. No meu pensamento e aqui repousado na minha calma, são suspeitas as delicadas primaveras quentes em tempos de inverno.

As suspeitas levam tormentas e turbilhões de emoção sobre a minha culpa, quando feri um coração apaixonado. Fui descartado pelo tempo, despejei a minha angústia no coração de uma mulher e, sem culpa nenhuma, ela chorava pasmos enraivecidos com minha atitude. Fiquei preso aos meus próprios braços, ali mesmo, por detrás do tempo sem poder fazer nada. Pensava eu, não poder fazer nada, pensava ela que eu me ajoelhara para lhe pedir desculpa sobre minha atitude descontrolada.

O tempo fez-me ver que choravas um rio de raiva e confusão de sentimentos, mas afinal, ajoelhei-me pedindo-te desculpa. São leves e claros os preceitos da tua beleza, são estranhas as lindas rosas em forma de borboleta, que deixam a minha alegria tão admirada com a tua existência. Oh ramo saído da minha vida! Ramo que levas a transparência do amor ao encontro apaixonado nesta linda avenida. O tempo leva a minha dignidade para onde bem entender e eu levo-te comigo, para onde tu quiseres, minha linda mulher, mas lembra-te que o tempo não perde tempo, porque nosso amor não perde por esperar as nossas formas de amar. Tu és o tempo, eu sou apenas uma palavra em ti vivida, sou a tua esperança, o amor da tua vida.

Excerto do livro:“O silêncio da Alma”

Ouça, abaixo, a leitura deste belíssimo trecho, na voz do próprio autor.

Este é um dos textos mais acarinhados pelos leitores!Tenho o enorme prazer em vos apresentar este texto declamado por mim.Brevemente na minha mais recente obra, " O silêncio da alma"Tomem a liberdade de partilhar para que o silêncio da alma possa chegar mais longe.Muito obrigado.

Posted by Jose Carlos Rodrigues on Saturday, February 11, 2017

 

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!


COMENTÁRIOS