Como não temer essas criaturinhas? Geralmnte, o contato com a grande maioria das lagartas provoca dor e queimação, com inchaço e vermelhidão no local atingido.

Isso não se dá quando o acidente é com a Lonomia. Se é com ela, pode causar uma síndrome hemorrágica, com sangramento na gengiva e na urina, até complicações graves como a insuficiência renal aguda, provocando a morte na falta de um tratamento correto.

Na últma semana, o Instituto Butantan veio a público alertar para os riscos do contato de pessoas com os “espinhos” envenenados de taturanas (ou lagartas) do gênero Lonomia.

Esse gênero, apenas em 2017, foram responsáveis por 741 acidentes no país, de acordo com o Ministério da Saúde. O contato com a grande maioria das lagartas provoca dor e queimação, com inchaço e vermelhidão no local atingido.

Além do mais, o acidente com a Lonomia pode causar uma síndrome hemorrágica, com sangramento na gengiva e na urina, até complicações graves como a insuficiência renal aguda, provocando a morte na falta de um tratamento correto.

Taturana é quase imperceptível em tronco de árvore — Foto: Divulgação Instituto Butantan

Para tratar das pessoas envenenadas pelo contato com a Lonomia, o Instituto Butantan utiliza o soro antilonômico desde 1994, único produtor do medicamento no mundo.

Foto de capa: Lonomia obliqua vive em comunidade em árvores — Foto: Roberto Moraes/ Instituto Butantan

Fonte: G1

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!