A arte evoluiu ao longo da história e, por meio dela, aprendemos como o ser humano se expressava por meio de suas pinturas, esculturas e outras formas artísticas. As pinturas rupestres foram os primeiros sinais de que os primeiros hominídeos lideraram inatamente a criação da arte.

A raça humana mudou ao longo dos séculos, da mesma forma que a arte. Sobre o que é arte e o que não é, tem havido muitas discussões entre filósofos e historiadores, mudando sua definição com a mudança dos tempos. Por exemplo, a antiguidade greco-romana concebia a arte como qualquer habilidade do ser humano, como a habilidade de dirigir ou convencer; No entanto, tudo que pudesse vir de inspiração, como poesia, foi deixado de fora desse conceito.

‘Para Tomás de Aquino, a arte era “a ordem certa da razão”; Picasso a definiu como a mentira que nos ajuda a ver a verdade e Tolstoi só poderia considerar uma obra de arte válida se transmitisse valores de fraternidade. Com essa disparidade de conceitos sobre o que é arte e o que não é, não é de se estranhar que ainda hoje existam opiniões diferentes e contraditórias sobre o que pode ser considerado uma obra de arte. Hoje falaremos se os jogos eletrônicos merecem ser considerados e chamados de criação artística.

Em 2013, o Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMA) foi claro sobre isso e adquiriu amostras de diversos videogames históricos para expor em suas instalações. Por um ano, jogos como Spacewar!, Pong ou Space Invaders tiveram um lugar atribuído e privilegiado no berço da arte moderna. Mas evitando o componente nostálgico que poderia ter levado a colocar vários dos jogos históricos em um só lugar, podemos realmente considerar a arte dos videogames ou estamos exagerando um pouco?

Se pararmos para pensar por um momento, um jogo eletrônico reúne diferentes correntes artísticas em um único produto. A pintura se refletiria nos desenhos dos personagens e suas configurações, tornando-se uma sucessão de trabalhos artísticos nos quais qualquer usuário pode interagir. Tanto esforço tem sido colocado na criação desses novos mundos que existem jogos de criação tão detalhada e artística que não deixam indiferente ninguém com a mínima sensibilidade para a arte. Com Journey para PS4 podíamos ver uma paleta de cores amareladas que saía do deserto onde se desenrolava a ação e que faziam as delícias de qualquer olho; a mesma maravilha visual ocorre com Abzu, mas desta vez com a gama de cores mais fria.

Desenhos, imaginação e design são partes tão proeminentes dos videogames que, para alguns, eles se tornaram a parte mais importante de sua natureza. Em alguns jogos, até, os desenhos se destacam acima de qualquer outra qualidade e se tornam sua reivindicação mais preciosa. Por exemplo, o 888 Casino Online tem uma oferta de slots diferentes com centenas e centenas de designs originais e com diferentes temas que vão desde o distante Egito ao Village People através do filme Gremlins. Outros jogos fizeram do design uma de suas principais atrações, como o Modo Criativo de Fortnite, onde você pode criar sua própria ilha e jogadores, ou o projeto Paralives, onde os usuários podem soltar sua vocação artística para criar sua própria vida e construir sua própria história.

O roteiro do filme, protagonista da sétima arte, também ocupa um lugar importante no design de qualquer videogame. Alguns deles têm uma história tão trabalhada que podem estar à frente de muitos dos filmes que consumimos. A saga Uncharted da Naughty Dog faz do jogador o protagonista de uma aventura arqueológica onde encontram mistérios e resolvem enigmas, com um fio da trama e uma série de reviravoltas no guião que nada têm a invejar de nenhum dos filmes de Spielberg.

A fotografia e seu jogo de luz e luz também é um protagonista excepcional em muitos videogames. Com Limbo, o claro-escuro é mais um personagem que eles acompanham, iluminando a história e formando uma sucessão de fotografias em preto e branco.

E finalmente, a música: uma das artes mais sublimes. A expressão artística que mexe com nossas emoções e pode nos levar da empolgação às lágrimas em um minuto. Muitos dos videogames criaram uma trilha sonora tão original e integrada na história, que para qualquer um dos jogadores é muito fácil sentir que estão vivendo um momento épico.

Por tudo isso, não podemos negar que os jogos são carregados de arte e expressões artísticas e que, embora o conceito de arte vá se alterando e se modificando com o tempo, eles merecem ter um lugar próprio na história.

Imagem de wei zhu por Pixabay

RECOMENDAMOS






Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!