Por: Marvi Martínez – Rincon del tibet

É conhecido como o sexto sentido ou a capacidade de percepção sutil, a nossa capacidade de perceber a dimensão subtil ou aquele mundo invisível , desconhecido e místico dos anjos, fantasmas, o céu, etc.

Também inclui nossa capacidade de entender o relacionamento sutil de causa e efeito em muitos eventos, o que está além do entendimento do intelecto.

A percepção extra-sensorial, a clarividência, a premonição, a intuição , são sinônimos do sexto sentido ou da capacidade de percepção sutil e têm sido objeto de muitas investigações, reflexões, teorias e estudos espirituais.

Alguns estudos indicam que o mundo é composto dos cinco elementos cósmicos sutis (panchatattva), esses elementos cósmicos não podem ser vistos, mas constituem toda a criação. Quando desenvolvemos nosso sexto sentido, começamos a perceber progressivamente esses elementos cósmicos , começando pelo mais tangível até o mais sutil. Assim, podemos percebê-los na ordem dos elementos Absolutos da Terra, Água, Fogo, Ar e Éter através dos nossos sutis sentidos de olfato, paladar, visão, tato e audição, respectivamente.

Às vezes, vemos pessoas que têm a capacidade de perceber o mundo sutil desde tenra idade , mesmo que elas não tenham feito qualquer prática espiritual, algumas ideologias argumentam que isso é porque atingiram o necessário para este nível espiritual, através da prática espiritual conduzida em um nascimento anterior (vida anterior).

Às vezes, experimentamos um estranho sentimento de voltar para casa quando vemos uma casa totalmente desconhecida, uma premonição de um desastre iminente ou um sentimento de infinito amor por uma pessoa que, para o resto, não é nosso tipo. Estas são experiências percebidas através da mente sutil.

Nós não podemos entender a razão por trás dessas sensações. Às vezes ouvimos falar de pessoas que obtêm informações da dimensão sutil e que conversam com seres das regiões sutis.

Obviamente, essa faculdade existe, essa experiência se manifesta em muitas áreas de nossa vida , embora na maioria dos casos não tenhamos consciência disso.

De uma perspectiva puramente espiritual, é considerado um uso impróprio do sexto sentido, quando é usado para outra coisa, como questões mundanas. Em outras palavras, se um médium usa sua habilidade psíquica para adivinhar se uma pessoa vai se casar ou conseguir um emprego, de uma perspectiva espiritual, isso é considerado um uso impróprio.

Este uso indevido do poder concedido, resulta na perda de sua capacidade, a pessoa perde a sensibilidade que era a sua própria através deste sentido e torna-se uma peça fácil de energia externa de outros campos inferiores.

Em tais casos, sua capacidade psíquica dura mais e pode até parecer melhorar continuamente. Mas essa capacidade física não é devida à pessoa, mas às energias das quais ela é média, que a está guiando. Quando isso acontece, o dom precioso do sexto sentido da pessoa é desperdiçado em questões menores.

A vida é cheia de presentes, aprender a percebê-los é essencial para fazer o melhor uso deles, prestar atenção à sua intuição e acima de tudo aprender a escutar …

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!