O motorista que caiu do próprio carro em movimento em uma rua de Franca (SP), que não quis se identificar, falou em entrevista ao G1 que custou acreditar no que aconteceu.

“Como tem a filmagem, eu só acreditei vendo. Eu nem acreditei, para falar a verdade. Até hoje eu estou abismado”, afirma o homem, que preferiu não se identificar.

Foi na tarde do dia 30, que a situação foi registrada por uma camera de segurança. O motorista trafegava pela Rua João Pessoa quando virou à direita na Rua Curitiba. Após passar por uma lombada, a porta do veículo abriu e o condutor caiu no asfalto. Um objeto que parecia ser uma lata com bebida caiu no chão junto com ele.]

Sem motorista, o carro seguiu o caminho. As imagens mostram o veículo com a porta aberta subindo na calçada e passando entre uma casa e um poste. Desgovernado, o veículo sem condutor ainda virou à esquerda na Rua Natal e só parou ao subir em outra calçada.

O jovem, sem entender como aquilo aconteceu, comentou: “Eu nasci de novo. Acho que o capeta quis me matar e o meu anjo guiou o carro, porque o que aconteceu com o carro, onde ele passou ali. Acho que ele [carro] queria me largar para trás. Falou ‘esse cara está muito pesado’”, afirma.

“Eu tentei pegar a porta, foi quando eu desequilibrei. Eu estava sem cinto. Se estivesse de cinto, não tinha acontecido nada. Aí a importância do cinto de segurança. Minha sorte é que eu estava devagar.”

Quase causando um acidente, evitado pela atenção do condutor do carro de trás. O motorista de aplicativo Sebastião Agnaldo Gabriel, que estava a caminho de uma corrida. Ele afirma que ainda pensou em fazer uma ultrapassagem, mas achou prudente esperar porque estava em uma esquina.

“Nunca tinha passado por isso. Por sorte eu respeito a lei de trânsito, eu estava devagar. Eu até pensei em ultrapassar, mas estava na esquina e decidi esperar um pouco ele virar. Foi aí que eu me deparei com o que aconteceu.” comentou Sebastião.

Confira o vídeo do canal SBT News:

Fonte indicada e adaptada: G1

RECOMENDAMOS






É amante de sagas, sonha ser cineastra e é do tipo que chora rios inteiros lendo livros. Já coleciona 14 primaveras, escreve poemas, ama Raul e Legião.