No Facebook, uma leitora elogia a sedução de minhas palavras e pede uma horinha comigo pessoalmente. Respondo que sou casado e muito feliz. Ela retruca que não há problema, que não é um impeditivo. Reforço a minha fidelidade e o quanto que não há sentido a sua insistência. Ela não desiste: propõe encontro, passa o número do celular e ainda fica provocando que dê provas de minha capacidade. Continuo direto, objetivo, seco: não tenho olhos para outra mulher. Daí ela se sente ofendida, reclama que não precisava ser grosseiro e dispensá-la. Um pouco mais e me chamaria de fresco, de tolo, de covarde.

O que pretendo esclarecer é que nunca vou pôr em risco o amor verdadeiro de minha vida. Eu sei o quanto é raro e como foi custoso encontrá-lo. Não me esconderei em ambiguidades, não mentirei para agradar, não me envaidecerei com cantadas, não deixarei que uma estranha saiba algo que a minha mulher não sabe.

Mantenho orgulho de minha exclusividade. Ando em linha reta porque o meu coração guarda alguém em suas curvas.

Gostaria de declarar, com todas as letras, que a minha esposa é a pessoa mais importante de meus atos, a mais especial de meus gestos, a que mais admiro em meus devaneios. É a minha melhor amiga, a minha confidente, a minha cúmplice. Só com ela eu me divirto só de conversar. Só com ela eu me alegro só de existir. Só com ela um minuto longe de casa significa meses de saudade.

Jamais sacrificaria o que construímos. Já atravessamos momentos pungentes juntos, como o luto familiar, e não existe mau tempo que nos distancie. Somos inseparáveis na alegria e na tristeza, na doença e na saúde.

Dói apenas de pensar em magoá-la.

Fidelidade é agradecimento. Agradeço a cada dia por ela estar comigo. E a honrarei com a minha linguagem agora e sempre.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!


COMENTÁRIOS