Publicado originalmente em Rincón de la Psicologia

Feridas emocionais podem levar mais tempo para cicatrizar do que feridas no corpo. Os danos causados ​​por desprezo, rejeição, perda ou fracasso deixam cicatrizes profundas que não são fáceis de fechar. Às vezes, podemos pensar que esta história é parte do passado para descobrir, não sem alguma confusão, que a ferida ainda está aberta.

O problema é que, se nos apressarmos, corremos o risco de causar mais danos ou até prejudicar as pessoas à nossa volta. Se ainda não superamos um relacionamento antigo e nos imbuímos em outro, o mais provável é que arrastemos toda essa carga emocional negativa e auto-sabotemos o novo relacionamento até que ele falhe.

Desta forma, é provável que acabemos desencadeando uma série de fracassos e decepções, a ponto de pensar que há um problema em nós, quando na verdade o que aconteceu é que não estávamos preparados para recomeçar. Para abrir um novo capítulo da nossa vida, precisamos fechar os antigos capítulos. Se olhamos continuamente para o passado, se o fantasma de ontem nos persegue, não podemos tirar proveito de todo o bem que o futuro nos reserva.

Como saber se estou pronto para começar de novo?

Às vezes, quando sofremos uma grande decepção ou desilusão, a dor é tão forte que a única coisa que queremos é ir seguir em frente e que ela desapareça. Isso pode nos fazer desconectar do nosso interior e buscar estímulos fora de nós que desviem nossa atenção do problema. Como resultado, podemos nos enganar e acreditar que a situação acabou.

O desejo de se sentir melhor e deixar para trás o passado nos impede de perceber que ainda não estamos prontos para começar de novo e que precisamos de mais tempo. É por isso que nos apressamos em tomar decisões e não percebemos os sinais que indicam que ainda não superamos o que nos aconteceu.

No entanto, um dos sinais inconfundíveis de que as feridas emocionais foram fechadas é quando conseguimos contar essa história sem experimentar as emoções intensas que nos bloqueavam no início.

Se é uma grande perda, por exemplo, você saberá que a superou quando puder contar o que aconteceu sem chorar ou experimentar aquela desoladora tristeza dos primeiros dias, quando em seu lugar restar apenas uma doce nostalgia.

Quando se trata de decepção amorosa, por exemplo, você saberá que virou a página quando, em vez de se lembrar de tudo o que foi negativo e se sentir terrivelmente mal, puder recordar as coisas positivas sentindo que fez as pazes com o passado.

Para saber que você se curou por dentro, você precisa voltar a sentir essa paz interior, recuperar o equilíbrio mental que havia perdido. Reconectar-se com o seu interior sem sentir medo das emoções que você experimentou e voltar a se sentir confortável consigo mesmo.

Essas sensações não mentem, elas são um indicador confiável de que você recompôs os pedaços quebrados e está pronto para começar de novo, seja um novo relacionamento, um novo projeto de trabalho ou até mesmo uma nova vida em outro lugar.

Palavras como sinal de recuperação emocional

Nós não recuperamos da mesma forma depois de sofrer um colapso emocional. Há quem precise do seu espaço e não queira resolver o problema. De fato, quando se trata de feridas profundas, falar sobre o que aconteceu nos estágios iniciais pode ser praticamente impossível. Você pode sentir um nó na garganta que o impede de contar o que aconteceu. É normal.

De certa forma, essa relutância em falar sobre o evento traumático pode atuar como um mecanismo de defesa que nos protege para nos impedir de reviver a situação que está nos prejudicando. Neurocientistas da Universidade de Harvard descobriram como os traços dolorosos do trauma permanecem gravados em nosso cérebro.

Concluíram que quando as pessoas não superaram a situação traumática, reviver suas causas ativa áreas emocionais do cérebro, tais como a amígdala e o córtex visual, enquanto a área de linguagem, como a área de Broca, se desativam.

Pelo contrário, processar o trauma implica transformá-lo em uma experiência narrativa que encontra um espaço em nossa história de vida. Isso significa que, mais cedo ou mais tarde, devemos falar sobre o que aconteceu, porque só então poderemos processá-lo e anular seu enorme impacto emocional.

Portanto, a possibilidade de falar sobre a situação que causou tanto dano é também um indicador de que estamos nos curando internamente.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!