Fonte: Rincon psicologia
Por Jennifer Delgado Suárez

Buda e seus discípulos empreenderam uma longa jornada durante a qual atravessariam diferentes cidades. Em certo dia muito quente, eles avistaram um lago e pararam, sitiados pela sede. Buda perguntou ao seu discípulo mais jovem, famoso por sua natureza impaciente.

– Tenho sede. Você pode me trazer um pouco de água daquele lago?

O discípulo foi até o lago, mas quando chegou, viu que, naquele momento, um carro de boi passava por ele. Como resultado, a água ficou muito turva. O discípulo pensou: “Não posso dar ao professor essa água barrenta para beber”.

Então ele voltou e disse a Buda:

– A água no lago é muito lamacenta. Eu não acho que possamos beber”.

Depois de meia hora, Buda pediu ao mesmo discípulo para voltar ao lago e trazer água para beber. O discípulo retornou ao lago.

No entanto, para seu espanto, ele descobriu que a água ainda estava suja. Ele retornou e disse a Buda, desta vez com um tom conclusivo:

– A água daquele lago não pode ser bebida, é melhor caminharmos até a vila para que os aldeões possam nos dar uma bebida.

Buda não respondeu, mas ele também não se mexeu. Depois de um tempo, ele pediu novamente ao discípulo que retornasse ao lago e lhe trouxesse água.

O discípulo foi para o lago porque não queria desafiar seu mestre, mas ficou furioso por tê-lo enviado para o lago, quando ele já sabia que a água barrenta não podia ser bebida.

No entanto, quando chegou, a água era cristalina. Então ele pegou um pouco e levou para Buda.

Buda olhou para a água e então disse ao seu discípulo:

– O que você fez para limpar a água?

O discípulo não entendeu a pergunta, ficou evidente que ele não havia feito nada. Buda explicou a ele:

– Espere e deixe tudo tomar o seu devido lugar. Depois de um tempo, a lama se instala sozinha e você tem água limpa. Sua mente também é assim! Quando estiver preocupado, perturbado, você apenas tem que deixar as coisas acontecerem. Dê-lhe algum tempo. Não seja impaciente e você encontrará o equilíbrio por si só. Você não precisa fazer nenhum esforço para acalmá-la. Tudo vai acontecer se você não se apegar.

Mente de macaco: a mente impaciente cercada por preocupações

Os budistas referem-se à nossa mente com a palavra xinyuan, um termo que pode ser traduzido literalmente como ” mente de macaco ” e que significa “não resolvido, inquieto, caprichoso, inconstante, confuso, indeciso ou incontrolável”.

Para o budismo, nossa mente é como um macaco pulando de galho em galho, sempre inquieto e confuso. Nós saltamos continuamente de um pensamento para outro pensamento, da preocupação para a preocupação, até que estamos em um estado de turbulência, confusão e exaustão.

Quando adicionamos emoções a essa mente imbuída de uma atividade frenética, temos todos os ingredientes para formar uma “tempestade perfeita” que nos levará a tomar decisões erradas. Nesses casos, é melhor esperar.

Quando você não sabe o que fazer, quando está confuso demais para tomar uma decisão, o ideal é que você não faça nada, espere e dê tempo ao tempo. Se você se deixar levar pela impaciência, frustração, opressão ou preocupações, é provável que acabe tomando uma decisão ruim da qual se arrependerá mais tarde.

Aquilo que acalma a mente, para o budismo, é equivalente, no campo da psicologia, a um distanciamento emocional do problema que atormenta sua mente. O objetivo é encontrar a serenidade mental essencial para analisar as múltiplos aspectos do problema.

Na prática, em vez de pressa para a ação, ou da inação preocupada, com o pensamento incessante de que “precisamos fazer algo urgentemente,” devemos fazer exatamente o oposto: serenar as água da nossa mente e esperar o tempo que for necessário para que vejamos a solução.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!