Texto de Pamela Camocardi publicado originalmente em Conti Outra

Ninguém cansa da noite para o dia. A gente cansa é depois de muita luta e de muita dor. A gente cansa de insistir para que o outro fique e começa a entender que a despedida é um presente. Cansa de pedir explicações (que nunca são dadas) e percebe que não precisa delas para ser feliz. Cansa de pedir a presença de quem nunca esteve disposto a dar. A gente cansa, sem lirismo nenhum, de ser trouxa.

Os sintomas do cansaço emocional não são nada confortáveis: insônia, cansaço físico e mental, irritabilidade, falta de desejo sexual, baixa resistência às doenças, entre outros. Mas, mesmo assim (embora pareça loucura): estar cansado é um grande privilégio e isso é facilmente comprovado no comportamento pessoal diário.

Os sintomas passam rapidamente quando você resolve tomar um posicionamento diante das situações que te incomodam. Um alívio toma conta de sua alma e você sente-se livre e forte para começar uma nova vida. Parece mágica: quando o cansaço bate nossos olhos se abrem a uma nova vida e o que antes era importante passa a não ser mais.

Exagero? Não. Constatação! Quando estamos cansados pouco importam as explicações, a insistência ou as declarações de amor. Nada disso faz mais diferença porque, simplesmente, aprendemos a nos amar e ver a vida com outros olhos.

Quando estamos cansados não aceitamos mais encaixes na agenda de domingo à noite, não aceitamos “eu te amo” como prêmio de consolação e nem companhia por costume. Em outras palavras: estar cansado é um grito de liberdade da mente.

É sempre bom deixar claro que não estamos discutindo aqui as desistências significativas como os términos benéficos que, por algum motivo, levam o casal a seguir caminhos opostos. Nesses casos, o respeito e carinho continuam mas, por motivos aleatórios, o amor acabou. Estamos focando em relações de mão única onde um dos dois é abusivo, omisso e negligente com a relação.

Ninguém consegue nadar contra a maré a vida toda. Chega uma hora que o corpo cansa e a mente pede socorro. Um grande exemplo disso são as relações baseadas em ciúmes excessivos e insegurança extrema. Note que, quando a relação está baseada nesses sentimentos tóxicos a tendência é piorar dia a dia e o que era para trazer paz, traz depressão, traumas e medos.

O cansaço nos permite entender que o verdadeiro amor não é egoísta, não é ofensivo e não traz dor. Amor que é amor é primeiro próprio e depois recíproco. Albert Camus em sua infinita sabedoria dizia que “o homem tem duas faces: não pode amar ninguém, se não amar a si próprio”.

Então, ao persistirem os sintomas de cansaço, tome uma atitude. Saia da sua zona de conforto e tome um posicionamento diante dos fatos. Até porque as doenças resultantes do cansaço emocional não podem ser curadas enquanto as causas não forem (definitivamente) resolvidas.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!