Os lissodelfini do sul (Lissodelphis peronii) foram vistos pela primeira vez em 20 anos no Chile . Uma equipe de cientistas chilenos observou-os no estreito de Magalhães. Hoje, as imagens se tornaram virais e estão viajando pelo mundo.

À distância, poderia ser confundido com um pinguim, mas de perto o que apareceu aos olhos dos cientistas era um espécime raro do lissodelfino do sul.

Em março de 2018, o biólogo marinho Marco Pinto-Torre, do Centro de Pesquisa de ecossistemas marinhos em altas latitudes (ideal) da Universidade do Sul do Chile, participou de uma expedição científica a Seno Ballena, localizada no sul do estreito de Magalhães. A campanha teve como objetivo instalar uma bóia oceanográfica para medir mudanças no Oceano Antártico e estudar os efeitos do derretimento das geleiras.

Ao coletar fitoplâncton (microalgas) no barco que levava a equipe, Pinto-Torres percebeu que, um a um, os cientistas estavam saindo pela ponte. Algo havia atraído sua atenção para as águas geladas da ponta sul do Chile e, por isso, ele decidiu segui-las. Os pesquisadores estavam navegando para as Ilhas Carlos III (Francisco Marinho Coloane), uma área de grande importância para a alimentação de mamíferos marinhos e conhecida internacionalmente por detectar baleias jubarte no verão. Lá, no entanto, cinco lissodelfini do sul nadavam.

“Percebemos rapidamente que não era um golfinho que pode ser visto ocasionalmente como a orcela australiana, a cefalogrina de Commerson ou o chileno, que são as espécies mais comuns na área. Por não possuir barbatana dorsal, entendemos que era o lissodelfino do sul. Isso chamou minha atenção, então decidi fotografá-la “, explica a pesquisadora, que também é doutoranda em Ciências da Aquicultura na UACh.

Os lissodelfini do sul são animais que habitam habitualmente nas profundezas do oceano, por isso é ainda mais raro avistá-los perto da costa. Segundo o que é lido no site da IUCN , ele vive nas águas do oceano e atinge a costa apenas em profundidade. É encontrado com pouca frequência em águas temperadas, do norte do Chile, na costa do Peru (mas também é visto regularmente nas costas da Nova Zelândia), enquanto é mais característico da Patagônia e das Ilhas Falkland.

A última gravação visual da espécie é devida ao cientista Rodrigo Hucke-Gaete há 20 anos , em 1999. Esses cetáceos raramente são vistos nas latitudes meridionais. No leste do Pacífico sul, existem menos de 73 registros confirmados. Além disso, todos os registros ao vivo individuais foram vistos em águas profundas, não nos canais e fiordes do sul do Chile.

O lissodelfino tem cerca de dois metros de comprimento e é o único que vive no hemisfério sul e não possui a barbatana dorsal. O nome científico é (Lissodelphis peronii) e pode pesar até 116 quilos.

Vê-los no Estreito de Magalhães, uma das maiores e mais importantes passagens naturais entre os oceanos Atlântico e Pacífico, foi, portanto, um evento completamente excepcional.

COMPARTILHAR

COMENTÁRIOS




Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!