Um economista brasileiro enterrou três filhos consecutivos devido ao câncer em menos de cinco anos, enquanto ele próprio lutava contra a doença.

Todos os quatro membros da família descobriram em 2016 que sofrem de uma doença genética rara que aumenta o risco de uma pessoa e sua família desenvolverem câncer. O distúrbio, conhecido como síndrome de Li-Fraumeni, afeta apenas 5 a cada 20.000 famílias em todo o mundo.

Régis Feitosa, 52, perdeu primeiro a filha caçula.

Beatriz Feitosa foi diagnosticada com leucemia linfocítica aguda em 2017, aos 9 anos, e foi submetida a um transplante de medula óssea. O câncer, no entanto, voltou e ela morreu apenas um ano depois, em 24 de junho de 2018, aos 10 anos.

Em seguida, o pai perdeu o filho Pedro, que tinha apenas 17 anos quando foi diagnosticado com osteossarcoma, um câncer ósseo. Ele foi curado em quatro ocasiões diferentes e depois desenvolveu câncer no cérebro em 2019 e morreu aos 22 anos em 30 de novembro de 2020.

A filha mais velha da família, Anna Carolina Feitosa, foi diagnosticada com leucemia linfocítica aguda quando tinha apenas 12 anos, em 2009. Ela se recuperou do câncer em cerca de três anos após um tratamento que incluiu radioterapia e quimioterapia, e cresceria para se tornar uma médico, mas posteriormente foi diagnosticado com um tumor cerebral em 2021 e morreu em 19 de novembro de 2022, quando tinha 25 anos.

‘Em quatro anos e meio, perdi todos os meus filhos’, disse Regis à BBC News Brasil.

Régis, que foi diagnosticado com câncer pela primeira vez em 2009, ficou cada vez mais preocupado com a relação entre os cânceres e decidiu que todos os seus filhos deveriam passar por um teste genético.

O exame de sangue revelou que ele tinha a síndrome de Li-Fraumeni, uma doença genética rara que aumenta o risco de uma pessoa e suas famílias desenvolverem câncer.

‘Os resultados mostraram que eu tinha uma alteração genética que infelizmente também passou para os meus filhos e que potencializa o aparecimento de câncer’, explicou.

A família determinou em 2016 que eles compartilhavam a rara mutação, mas pouco poderia ser feito para impedir o aparecimento de cânceres mortais.

‘A síndrome de Li-Fraumeni não pode ser evitada’, de acordo com a Cleveland Clinic .

Leia tambémMotorista atingido por deslizamento na BR-376 grava vídeo enquanto aguardava socorro

Régis, que em 2021 soube que sofria de linfoma não Hodgkin, disse que seus pais não tinham a doença hereditária.

De acordo com o portal Cleveland Clinic, qualquer pessoa que tenha a síndrome tem cerca de 90% de chance de ser diagnosticada com um ou mais tipos de câncer em qualquer momento de sua vida e 50% de chance de desenvolver a doença antes dos 30 anos.

As mulheres ao nascer que têm a síndrome de Li-Fraumeni têm quase 100% de chance de serem diagnosticadas com câncer de mama.

‘A síndrome de Li-Fraumeni acontece quando algo muda no gene TP53, que contém o manual de instruções para produzir uma proteína chamada proteína tumoral 53, ou P53’, de acordo com o site da clínica.

A proteína P53 atua como um controlador de tumor e pode impedir que as células se dividam e cresçam muito rápido ou de uma forma que não pode ser controlada antes de se transformar em um tumor.

“Quando o gene TP53 muda, o manual de instruções da proteína P53 também muda, perdendo a seção de instruções para fazer o P53”, diz a Cleveland Clinic. ‘Sem as proteínas P53 funcionando adequadamente, as células podem se dividir descontroladamente e se tornarem cânceres.’

Régis, que segue em tratamento para leucemia crônica e linfoma não Hodgkin, disse que nunca se sentiu culpado por ter passado a síndrome de Li-Fraumeni para seus três filhos.

‘Meus filhos disseram que eu era tão vítima quanto eles’, disse ele.

O pai enlutado acrescentou que a provação de sua família não é pior do que a de qualquer outra.

‘Hoje a minha visão é que temos que viver intensamente, com a maior alegria’, disse Régis. ‘Meu filho disse uma frase muito coerente: “Ninguém pode medir a dor do outro.”

‘Não acredito que exista um problema maior ou menor, o fato é que não podemos medir a dor do outro.’

Leia tambémJogos, Sorte, Chances – aqui estão excelentes livros sobre cassinos e jogos de azar

Fonte: BBC

Compartilhe o post com seus amigos! 😉






Gabriel tem 24 anos, mora em Belo Horizonte e trabalha com redação desde 2017. De lá pra cá, já escreveu em blogs de astronomia, mídia positiva, direito, viagens, animais e até moda, com mais de 10 mil textos assinados até aqui.