Por Flavio Crestana

Havia um mosteiro famoso por suas regras restritas.

Muitos jovens queriam ser aceitos, mas poucos conseguiram romper suas enormes portas e se tornar discípulos. Todos eles precisavam de um voto de silêncio e só podiam dizer duas palavras a cada dez anos.

Um dos discípulos mais jovem submetido a este regime, depois de passar seus primeiros dez anos sem dizer uma palavra, quando o grande mestre dirigiu-se a ele e perguntou:

– Uma década se passou. Quais são as duas palavras que você gostaria de dizer?

– Cama … dura … – disse o discípulo.

– Eu vejo – foi tudo o que o grande mestre respondeu.

Dez anos depois, o grande mestre retornou ao discípulo:

– Mais dez anos se passaram. Que queres dizer?

– Comida … horrível … – disse o discípulo.

– Eu vejo – o mestre respondeu de novo.

Mais dez anos se passaram e o discípulo reuniu-se novamente com o mestre, que lhe perguntou mais uma vez:

– Depois desses 30 anos, quais são as duas palavras que você gostaria de nos dizer?


– O deixo! – gritou o discípulo.

O grande mestre não recuou:

– Bem, eu entendo o porquê: tudo que você faz é reclamar.

Espiral de reclamações improdutivas
“Quando você fala, tente tornar suas palavras melhores que o silêncio” diz um provérbio hindu. Embora não seja verdade atingir tais extremos, não é menos verdade que vale a pena repensar alguns de nossos hábitos quando nos relacionamos com os outros.

Quantas vezes nos comportamos como o discípulo da história e nos concentramos apenas em falar palavras negativas, reclamando continuamente em vez de aproveitar esse momento para agregar valor aos outros ou criar uma experiência positiva?


Tire um segundo para pensar em quantas coisas você reclama ao longo do dia. Clima, transportes públicos ou de tráfego, o seu parceiro, talvez seus filhos, seu chefe, mau filme que você acabou de ver, os políticos, o elevador leva muito longo comida, frio … E a lista vai por ai. Na verdade, a maioria das pessoas têm “temas favoritos” para o qual elas continuamente reclamam.

Quando temos tantas insatisfações e frustrações, mas acreditamos que somos incapazes de fazer algo a respeito ou obter os resultados que queremos, nos sentimos desamparados, sem esperança, vitimados e errados conosco mesmos. Obviamente, um desses incidentes não prejudicará nossa saúde mental, mas quando os somamos, esse acúmulo de frustração e desamparo aprendido. Pode acabar afetando o nosso humor, autoestima e até mesmo a nossa saúde mental.

Reclamar menos, colaborar mais
Em vez de reclamar tanto e por tantas coisas, devemos nos perguntar o que nos torna pessoas especiais, pessoas com quem os outros querem passar o tempo. Se toda vez que encontrarmos um amigo ou conhecido formos um disco arranhado com reclamações e gritos, nos tornaremos pessoas tóxicas. Se nos preocupamos em agregar valor ou deixar uma pegada positiva, nossos relacionamentos melhorarão e nos sentiremos muito melhores.

É uma mudança de atitude com a qual todos ganham, inclusive nós mesmos. Para alcançar isso, devemos deixar o piloto automático ativado a cada dia e aprender a viver mais conscientemente, o que significa, interromper o fluxo de queixas, e pensar em como podemos agregar valor.

Texto originalmente publicado no Rincon Psicologia

Crédito foto: efes/PIXABAY

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!