Não importa se esse a quem vemos sofrer é alguém que poderíamos classificar como inimigo, tirar sarro da dor de outra pessoa é o reflexo de uma má percepção da vida. Se nos entendêssemos como um todo, poderíamos facilmente apreciar que o que alguém sofre, nós mesmos sofremos, o que fazemos com outra pessoa que estamos fazendo a nós mesmos.

Assim, no particular desconfio muito daquelas pessoas que se alegram com o sofrimento dos outros, desconfio daqueles que pretendem ensinar através da geração de dor e daqueles que participam dos juízes sobre a vida dos outros e que de suas perspectivas, rotulam o mérito da dor do outro.

Se quisermos evoluir no nível individual e de grupo, precisamos aprender a nutrir a bondade que é encontrada em cada um de nós. Todos nós temos um lado sombrio, um lado que responde ao mal, mas o que ganhamos dando força a esse lado, carregado de egoísmo, críticas, acusações? Nós ganhamos fortalecer o que deve ser limitado, estamos eclipsando o mal, sobre o bem.

Não somos quem tem que julgar os outros, nunca podemos andar em seus passos e talvez podemos concordar que há muitas maneiras de fazer as coisas e algumas pessoas escolhem o pior, mas ainda não deve assumir o papel de carrascos na vida de alguém, porque agir diferentemente de nós. Todos fazem o que podem com os recursos que possuem e, a partir daí, devemos aplicar empatia, solidariedade, compaixão.

O fato de sermos compassivos com alguém não significa que apoiamos suas ações, mas nos torna seres humanos melhores, nos torna parte da solução e não do individualismo que o mundo consome.

Devemos tentar aliviar a dor nos outros, se não podemos aliviá-lo, pelo menos não piorar, muito menos assumir uma posição de zombaria. Pelo menos como investimento, consideramos que a vida tem mecanismos muito curiosos para nos recompensar por nossas ações, então, pensando em nossa conveniência, será sempre melhor buscar o melhor bem possível em todas as situações em que fizermos alguma intervenção.

Se notarmos que a dor dos alheia gera prazer, talvez seja hora de fazer uma revisão profunda e curar as feridas que são mostradas através dessa atitude. Devemos perdoar o que dói e deixar de lado tudo o que nos deixou de mau gosto. Manter ressentimentos, esperar e planejar a vingança, agindo com raiva e ego, nos fará carregar uma mochila pesada e nos custará dar espaço para o que deveríamos levar a todos os lugares, o que não é nada mais que amor em qualquer uma das suas apresentações.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!