Com informações de GreenMe

Por mais acostumado que alguém esteja à crueldade que há no mundo, por mais natural que chegue a parecer o sofrimento de animais e seres humanos, há em cada um de nós uma inclinação, sempre presente ainda que latente e sufocada, à empatia e à compaixão.

O caso a seguir, real, por coincidência ou ironia envolve dois personagens cujos nomes lembram histórias da Disney e que, à semelhança dessas histórias, comporta preciosos ensinamentos e um final (se é que se pode falar em final) muito feliz.

Aladino Montes é um homem de 53 anos que passou metade de sua vida caçando veados, até que em 2013 um encontro mudou sua vida para sempre. A dois quilômetros de sua casa, Aladino encontrou um pequeno fulvo que estava prestes a morrer depois que a mãe partiu.

Em 2013, Aladino Montes, caçador, caminhava a dois quilômetros da sua casa quando avistou um pequeno filhotinho de cervo. Aparentemente sua mãe havia morrido e o filhotinho estava ali, a deus dará, entregue à própria sorte e tendo diante de si um futuro não muito promissor.

O coração de Aladino foi imediatamente tocado pela situação comovente em que se encontrava o filhotinho e seu espírito de caçador não pôde falar mais alto que o impeto que sentiu de ajudar o pobre animal. Aladino o levou para casa, o alimentou e o protegeu. O resultado: tornaram-se grandes amigos. Aladino, transformado por aquela experiência, não voltou mais a caçar e jura que jamais voltará.

“Fazemos longas caminhadas juntos e muitas vezes o Bambi até vem ao bar comigo. Ele gosta de ser acariciado e abraçado, uma coisa muito estranha para esses animais que tendem a desconfiar dos humanos “, explica Aladino.

Parece haver entre eles uma espécie de gratidão mútua. De certa maneira, em sentidos diversos, ambos se salvaram mutuamente.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!