Um estudo publicado neste domingo, 5, no New England Journal of Medicine traz informações animadoras e surpreendentes para a comunidade médica.

Nele, foram recrutados 12 pacientes diagnosticados com câncer retal, sendo esses submetidos a um tratamento com o anticorpo monoclonal dostarlimab, que resultou na ausência da doença e seus sintomas por cerca de um ano.

Após o tratamento, exames tradicionais feitos para detectar a presença da doença, como ressonância magnética, toque retal, avaliação endoscópica, não detectaram a presença ou evidencia dos tumores.


Leia também: Conheça os principais e melhores restaurantes em Ilhabela

O medicamento foi dado aos pacientes por meio intravenoso, de três em três semanas por cerca de seis meses, havendo um período médio de acompanhamento de 12 meses.

Segundo o estudo, nenhum paciente recebeu quimioterapia ou foi submetido à ressecção cirúrgica durante os 12 meses de acompanhamento.

Os resultados do uso do anticorpo, apontam uma possível nova alternativa para o tratamento do câncer retal, na melhor das hipóteses, se tornara obsoleto o uso de tratamentos mais agressivos como a quimioterapia.

Porém Bruno Ferrari fundador e CEO do Grupo Oncoclínicas afirma, “É importante ressaltar que é um estudo que está em andamento.”

“Por enquanto, não teremos mudanças na prática clínica voltada ao tratamento do câncer de reto, mas o resultado dessa análise até aqui já abre um caminho muito promissor para que em um futuro breve tenhamos as devidas aprovações regulatórias para a incorporação dessa imunoterapia como alternativa ao arsenal de opções terapêuticas que podemos oferecer aos pacientes.”

O estudo doi debatido por oncologistas durante o evento anual da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (Asco, na sigla em inglês), que se encerrou nesta terça-feira, 7.

Leia também: VÍDEO: veja o triste momento em que jornalista percebe que filho é vítima de acidente

Fonte: Veja

Compartilhe o post com seus amigos! 😉

RECOMENDAMOS