Por Alinny Karen Bachi Rehbein Vilela

Primeiro a gente pisa descalço no chão sagrado, sente o perfume do incenso, a luminosidade bruxuleante das velas.

Então nos é indicado um banquinho em frente à entidade. Pode ser um vovô ou uma vovó, não importa, as sensações são as mesmas.

Aspiramos a fumaça do cachimbo, sentimos um cheiro de erva, será arruda? Talvez alfazema?

Neste momento, ouvimos umas palavras simples e acolhedoras que nos transmitem muito amor , desta forma, seguros de que ali se encontra uma pessoa de confiança e muita sabedoria, abrimos nosso coração e despejamos ali mesmo todas as nossas angústias, receios, dúvidas.

As mãos se movimentam limpando nosso corpo espiritual de todas as mazelas.

A boca murmura rezas em línguas há muito tempo faladas, sons que confortam nossos corações.

Após uma benção cheia de axé, nos despedimos com o coração leve, o espírito limpo, a mente reconfortada e a alma tranquilizada.

Levamos na mente e no peito, o ponto de despedida na certeza de sermos atendidos: “quando correr sua gira vovô, passa no meu casuá e leva toda quizila vovô, para o fundo do mar…”

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!


COMENTÁRIOS