Com informações de UPSOCL

A invenção já possui uma versão doméstica, mais modesta, que produz até 30 litros de água por dia e, no México e em alguns outros países, o produto já está sendo comercializado. Estima-se que no México cerca de 22 milhões de pessoas não tenha acesso a água potável.

O mecanismo opera como uma “nuvem artificial”. Por meio de um processo de condensação, a máquina converte as moléculas de água presentes no ar em estado gasoso em água líquida. A empresa responsável pela criação e comercialização da máquina, Innovaqua, tem buscado por meio da invenção solucionar de forma sustentável o problema da falta de acesso à água potável, problema que assola milhões de pessoas, não apenas no México.

A água tem se tornado a cada dia um recurso mais escasso, seja pela contaminação dos rios e lençóis freáticos mundo a fora, seja pela utilização indiscriminada e irresponsável de água no processo de irrigação de grandes lavouras ou para a criação de gado. À escassez da água, pouco a pouco vão sendo apresentadas respostas, em larga medida tributárias do desenvolvimento tecnológico.

A “nuvem artificial”, como foi chamada a máquina, não obstante o fato de representar um importante passo para minimização do problema da escassez (e falta de tratamento) de água pelo mundo, ainda não é um aparelho muito popular, embora a empresa esteja em plena ascensão e logo, talvez, a tecnologia se torne mais acessível. Entretanto, a utilização responsável e econômica deste importante recurso, bem como a cobrança ao poder público para que este cumpra seu papel fiscalizador no que se refere à preservação deste preciosíssimo bem seguem sendo ações de suma importância.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!