Texto de Jennifer Delgado
Quando nos apaixonamos, todos nós nos comportamos um pouco irracionais. Sentimos um friozinho na barriga, não podemos parar de pensar nessa pessoa e só vemos suas virtudes enquanto ignoramos seus defeitos. É um fenômeno completamente normal.

Na verdade, a “falha” é com nosso cérebro. Neurocientistas da University College London descobriram que, quando nos apaixonamos, o sistema de recompensa é ativado e hormônios como a oxitocina, a vasopressina e a dopamina são liberados, responsáveis ​​por nos fazer sentir bem ao lado da pessoa que amamos. Por sua vez, as regiões do cérebro associadas às emoções negativas e ao julgamento social são desativadas, confirmando que o amor é cego, pelo menos em seus estágios iniciais.

Porém, nem mesmo essas mudanças explicam por que escolhemos parceiros tóxicos ou temos relacionamentos que nos fazem sofrer quando o mais sensato seria cortar nossas perdas. Não explica por que algumas pessoas deixam relacionamentos abusivos, violentos ou humilhantes para voltar a essas mesmas dinâmicas. Nesses casos, a explicação é o masoquismo emocional.

Os sinais que revelam que estamos nos prejudicando
No masoquismo emocional, a dor e o sofrimento estão combinados com elementos autodestrutivos e autodepreciativos.

No masoquismo emocional, a dor e o sofrimento estão combinados com elementos autodestrutivos e autodepreciativos.

O masoquismo consiste em produzir dor física ou emocional voluntariamente, seja ela autoinfligida ou causada por outras pessoas . No masoquismo emocional, a dor e o sofrimento estão combinados com elementos autodestrutivos e autodepreciativos.

Embora possa ser difícil entender as causas que levam uma pessoa a se machucar, os neurocientistas descobriram que os circuitos de dor e prazer na verdade compartilham as mesmas áreas do cérebro e podem até ativar a produção dos mesmos neurotransmissores, como a dopamina .

Isso significa que, embora seja uma estratégia inadequada para lidar com problemas, em certas circunstâncias a dor pode atuar como uma válvula de escape para liberar a tensão emocional. Na verdade, há pessoas que alcançam alguma satisfação por meio do sofrimento psicológico ao estabelecer relações tóxicas de dependência emocional que acabam se tornando o pilar de sustentação de seu frágil andaime psicológico.

No entanto, reconhecer que estamos nos prejudicando por meio dos relacionamentos que temos não é fácil . Os masoquistas emocionais não se propõem conscientemente à busca de parceiros abusivos, essa busca ocorre fundamentalmente no nível do inconsciente por se tratar de um perfil que, de alguma forma, os atrai.

É por isso que é importante ficar de olho em uma série de bandeiras vermelhas que podem revelar comportamentos masoquistas em um nível emocional:

– Você prioriza constantemente as necessidades dos outros, mesmo que eles não peçam, para que suas necessidades sejam sempre relegadas a segundo plano.

– Você se cerca de pessoas que ignoram suas necessidades, não te valorizam, te decepcionam constantemente e até te humilham ou maltratam.

– Você desistiu de projetos pessoais importantes para outras pessoas que nunca se dispuseram a fazer o mesmo por você.

– Você se sente culpado quando algo positivo acontece em sua vida e perde oportunidades de encontrar satisfação ou prazer por achar que não os merece.

– Você rejeita as tentativas de outros de ajudá-lo ou os boicota para torná-los ineficazes e tem uma desculpa para manter sua situação atual.

– Você gera reações de raiva ou rejeição nos outros e depois se sente magoado ou humilhado.

A origem do masoquismo emocional
Em muitos casos, a origem do masoquismo emocional pode ser rastreada até a infância . Talvez você tenha tido pais emocionalmente ausentes, agressivos ou extremamente críticos, de forma que só poderia receber carinho e atenção se aceitasse sua humilhação e / ou abuso psicológico.

Esse tipo de relacionamento em uma idade precoce pode ter lhe dado a idéia de que você não é digno de ser amado e tratado com respeito. Como resultado, é provável que mais tarde na vida você replique a dinâmica daqueles relacionamentos iniciais com seu parceiro ou amigos, assumindo o papel de vítima, pois está convencido de que submeter-se e sofrer é a única maneira de receber amor.

No fundo, a pessoa que cai no laço do masoquismo emocional não é valorizada o suficiente e tem medo de ser rejeitada e abandonada , então ela se humilha e se sacrifica para satisfazer a necessidade de ter alguém ao seu lado.

Em outros casos, o masoquismo emocional é o resultado de uma concepção distorcida do amor. Crenças como ” quem bem te ama vai te fazer chorar ” ou ” amar é sofrimento ” fazem a pessoa justificar a grosseria, a humilhação, a crítica e o abuso do parceiro, pensando que é “normal” . Se você estabeleceu uma conexão direta entre o amor e o sofrimento, a ponto de chegar a identificá-los, é provável que não possa conceber que possa amar de outra forma.

Saia do ciclo de relacionamentos tóxicos
Para sair da prisão do masoquismo emocional, você precisa complementar seu trabalho interno com uma mudança na maneira de se relacionar.

Para sair da prisão do masoquismo emocional, você precisa complementar seu trabalho interno com uma mudança na maneira de se relacionar.

” Ninguém é uma ilha, completo em si mesmo “, escreveu o poeta John Donne. Felicidade e bem-estar não são apenas estados internos, mas também dependem das pessoas ao seu redor.

Pesquisadores das universidades de Harvard e da Califórnia descobriram que aqueles que interagem com pessoas felizes se sentem mais felizes e relatam uma maior sensação de bem-estar . Isso significa que quanto mais positividade você busca, mais positividade entrará em sua vida e mais fácil será para você assumir uma atitude otimista.

Manter relacionamentos tóxicos , ao contrário, se tornará uma fonte de constante tristeza, frustração, raiva e decepção. No entanto, para cortar esses tipos de relacionamento pela raiz e não tropeçar na mesma pedra novamente, você terá que fazer uma mudança profunda na maneira como se percebe .

Em primeiro lugar, você precisa aprender a se olhar com outros olhos, desenvolver um olhar mais benevolente e compreensivo. Você precisa se valorizar mais.  Você não pode olhar para fora em busca do amor que não é capaz de dar a si mesmo .

Você também precisa reconhecer as crenças errôneas que o levam a buscar e manter relacionamentos prejudiciais a fim de colocar crenças mais adaptativas em seu lugar. Você pode começar se convencendo de que tem o direito de pensar sobre si mesmo e de que não é egoísmo priorizar sua felicidade . Às vezes, fechar portas ou definir pontos finais é uma questão de sobrevivência psicológica.

Para sair da prisão do masoquismo emocional, você terá que complementar esse trabalho interno com uma mudança na maneira de se relacionar.

Você precisa encontrar sua voz novamente porque anos de relacionamentos tóxicos provavelmente a silenciaram . Você deve compreender que tem o direito de expressar o que sente e pensa, e compreender que seu valor como pessoa não depende da aprovação dos outros. Como advertiu Lao-Tzu: ” Se preocupe com o que as outras pessoas pensam, e você sempre será seu prisioneiro .”

Para encontrar a força interior que gera uma mudança na maneira como você aborda os relacionamentos, você pode querer passar algum tempo sozinho . A solidão escolhida pode ser um excelente companheiro de viagem, principalmente para quem já estabeleceu relações de dependência emocional e precisa de um “período de desintoxicação”.

Este tempo o ajudará a olhar para dentro de si mesmo e aprender a resolver sozinho os problemas do dia a dia. Dessa forma, você pode desenvolver um senso de autoeficácia que permitirá que você confie mais em suas habilidades. Você será capaz de perceber o que vale. Sinta-se bem consigo mesmo novamente. Desenvolva auto-estima à prova de balas. E entenda que para ser amado você não precisa sofrer.
Texto de Jennifer Delgado, originalmente publicado em espanhol pelo Yahoo, traduzido e adaptado pela Revista Pazes.
Imagem de StockSnap por Pixabay

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!