Desde muito jovem, a norte-americana Kimberly Holden, 31 anos, sempre foi interessada em adotar uma criança, ideia apoiada incondicionalmente pelas tias.

“Quando eu era pequena, sempre soube que queria adotar. Três de minhas tias abriram seus corações e lares para crianças que não eram biologicamente delas, e isso despertou algo em meu coração que permaneceu comigo até a idade adulta”, disse Kimberly ao Love What Matters.

Com uma vida inteira pela frente, Kimberly se casou aos 21 anos e o desejo de adotar um filho continuou mais forte do que nunca, mas não para o marido, que não queria. A vida de casada durou três anos e, após o divórcio, ela continuou com sua forte convicção.

Leia também: Keanu Reeves tem doado milhões de dólares para hospitais infantis há anos, e tudo em segredo

Em 2011, tornou-se mãe adotiva temporária, ou seja, criava crianças por um tempo até reuni-las com seus pais biológicos. Ainda assim, não podia negar que sentia nervosismo ao tentar iniciar algo que exige tanta responsabilidade e principalmente sendo solteira.

“Fiquei muito animada para começar esta jornada, mas também um pouco nervosa, porque estava fazendo isso como mãe solteira. Na minha classe, eu era a única pessoa solteira ali. Todos os outros estavam lá com seus cônjuges e no começo eu me senti estranha por estar lá, mas eu sabia que não poderia desistir. Eu tinha um propósito a cumprir”, disse.

Eram um total de 5 crianças que cresceram e se reuniram com suas famílias biológicas, o que foi doloroso para ela. “Cada vez que eu tinha que dizer adeus a um filho temporário, meu coração doía mais por ter que parar de ser uma mãe adotiva. Parecia a perda de um membro da família “.

Apenas sete dias depois, ela conheceu Elizabeth, uma bebê de oito meses que precisava de sua ajuda. “Quando ela apareceu com a assistente social, percebi que ela não era negra,  não importava isso. Ela precisava de mim”, disse ela ao portal Love What Matters.

Para ela não era um obstáculo que fossem de uma cor diferente, mas era alvo de muita gente que julgava quando as viam juntas.

“Muitas pessoas me olharam de forma estranha e maluca enquanto estávamos juntos. Eles diziam ‘Você é a babá dela?’ ou ‘Você a sequestrou?’ ”, comentou ela. “Quando eu estava na academia, uma mãe me chamou de babá em outro idioma (Au Pair). Quando eu disse a eles que sou sua mãe, eles disseram ‘Ohhhh. Então ela deve se parecer com o pai. Enquanto eu estava na fila das lojas, eles olhavam para mim, então eu dizia em voz alta para Elizabeth: ‘Mamãe te ama!’ E ela respondeu: ‘Eu te amo mamãe'”, relembrou.

O tempo passou e a assistente social de Elizabeth notificou Kimberly que sua filha adotiva tinha um irmão recém-nascido chamado Edgar, que ela concordou em criar, rapidamente.

Em 2015, a mãe adotiva acolheu legalmente Elizabeth e em 2018, Edgar . “Agora minha família está completa. Eu tenho minha filha e meu filho. Embora nos vejamos como uma família, há muitas pessoas que não (…) Agora me perguntam ousadamente online: ‘Por que você adotou essas crianças brancas? Há muitas crianças negras que precisam de um lar. Você não se preocupa com seu próprio povo? Você tem um caso de ódio a si mesmo. As pessoas me chamam com apelidos maldosos e depreciativos porque sou negra e meus filhos não”, disse ela.

“O amor vai além da cor da pele. Não importa a cor de alguém. Amo eles! Estou muito feliz por poder compartilhar minha história com pessoas ao redor do mundo para inspirá-las , encorajá-las e informá-las”, disse a orgulhosa mãe.

Leia também: Filhote cervo órfão confunde manequim de tiro ao alvo com sua mãe

Fonte: Love What Matters

Compartilhe o post com seus amigos! 😉

RECOMENDAMOS