Pedro Matos, Coordenador de emergência do Programa Mundial de Alimentação, PMA, afirmou ontem, após sobrevoar a cidade de Beira, que a situação em Moçambique “é uma coisa nunca vista.” O que se nota, ao tentar dimensionar a tragédia, é um cenário desolador. Moçambique está em luto.

Segundo as estimativas do governo, 600 mil pessoas foram afetadas nas províncias de Sofala, Manica, Zambézia, Inhambane e Tete.

Em declarações à ONU News, a partir da cidade da Beira, Pedro Matos explicou que “nem Moçambique nem nenhum país do mundo está preparado para responder a uma tragédia desta dimensão.”

Conforme publicado na ONU NEWS, “a situação na Beira está bastante dramática. O ciclone Idai aterrou na Beira na quinta-feira com ventos de 200 km por hora, depois de já ter estado antes em Moçambique como tempestade tropical e já ter deixado cerca de 120 mil afetados ao longo do rio Zambeze. Entrou e criou uma destruição bastante grande no corredor grande entre a Beira e o Zimbabué. Mas se isto já era bastante mau, o que veio a seguir foi ainda pior.

QUER AJUDAR? CRUZ VERMELHA PORTUGUESA ANGARIA DONATIVOS: Os donativos para o Fundo de Emergência podem ser transferidos para a conta bancária: PT50 0010 0000 3631 9110 0017 4.

A pluviosidade que se seguiu, que chegou aos 600 milímetros em 24 horas, num dos dias, mas não durou só um dia, causou uma torrente tão forte que se pensou inicialmente que tinha sido uma barragem que tinha rebentado. E essa torrente continuou e continua a aumentar e rebentou as margens de dois rios aqui ao pé da Beira, o Púngoè e o Búzi, que agora correm como mares.”

Perguntado sobre o que está sendo feito para minorar os efeitos da tragédia, o coordenador respondeu:

“O Ingc, que é a proteção civil de Moçambique, e a comunidade internacional responderam a esta emergência. Nós estávamos cá uma semana antes, antecipadamente, à espera do ciclone, mas ninguém estava à espera da dimensão desta tragédia. Isto é uma coisa nunca vista. Nem Moçambique nem nenhum país do mundo está preparado para responder a uma tragédia desta dimensão. E, portanto, nós estamos a mobilizar.

As necessidades são imensas. A eletricidade faltou na Beira, o que quer dizer que as estações de tratamento de água não funcionam, quer dizer que as morgues não funcionam, quer dizer que os sistemas de tratamento de esgotos também não funcionam.”

Com informações da ONU  NEWS

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!