Traduzido e adaptado do site Hey Sigmund

Algumas pessoas são ótimas companhias. Elas fazem a gente se sentir importante, notado e ainda ficam no pensamento após irem embora. São pessoas cativantes. Elas se fazem notar, e quando falam, nós ouvimos, abertos a sua influência. Às vezes podem mudar nosso humor só de passarmos um tempo com elas. Para sermos assim, tem algumas atitudes que podemos tomar.

Conte suas histórias com a motivação correta.
É ótimo compartilhar histórias, mas com o objetivo de se conectar e não de se mostrar esperto, bonito e importante. Seja humilde, divertido e pessoal.

Seja vulnerável.
Vulnerabilidade é poderosa. É charmosa. Tem algumas formas de se fazer isso: admirando, sendo generoso emocionalmente ou contando uma história que mostra que você não é perfeito. Vulnerabilidade tem o efeito de criar confidencialidade, estabelecendo confiança com as pessoas que você conversa.

Deixe o corpo falar. A mente está ouvindo.
A conexão entre corpo e mente é muito forte, e o que fazemos com o nosso corpo tem o poder de influenciar o que pensamos e sentimos. Para se sentir confiante, aja como se fosse. Assumir uma postura confiante na verdade pode mudar a forma como você se sente.

Não fale, demonstre.
Seja paciente e deixe com que as pessoas sintam o bem de estar com você. Mostre, e não fale. Deixe que a outra pessoa seja o centro por um momento e sinta como é ter sua atenção e energia.

Interesse é interessante.
Não se preocupe com o que você vai dizer (a não ser que você esteja dando uma palestra). A mágica está no ouvir. Não precisa tentar ser interessante – isso virá naturalmente quando você mostra interesse em ouvir o que alguém tem a dizer.

Seja curiosa.
Comece em uma conversa com a intenção de descobrir algo interessante sobre a outra parte. Todo mundo tem uma história diferente para contar e as pessoais mais legais para se estar perto são aquelas que encorajam e dão espaço para essa história ser contada.

Seja luz na vida de alguém.
Expresse admiração. Quando é genuína, pode transformar um momento, uma pessoa, um dia. Isso melhora o ânimo de quem faz e de quem recebe, e inspira.

Comece com positividade.
Comece a conversa com algo positivo e evite assuntos como congestionamento no trânsito, clima ruim, comida ruim ou notícias ruins em geral. Certamente tem um momento para isso, mas apenas evite que seja no começo.

E termine com positividade.
Pesquisas mostram que, mesmo quando vivemos uma experiência ruim, se o fechamento for algo positivo nós tendemos a avaliar a experiência como um todo de maneira mais positiva. Então quando for hora de se despedir, tente adicionar algo bom como ‘foi ótimo conversar com você’.

Descubra o que as pessoas amam.

A gente brilha quando falamos de algo que amamos. Pergunte para o outro o que ele gosta, por que ele faz o que faz, o que aconteceu de bom no final de semana. Se você dá a oportunidade para ele falar sobre algo que o anima, aquele sentimento bom vai ser associado a você.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!


COMENTÁRIOS