Parece que a Netflix se rendeu aos golpistas… Bem!! Talvez apenas às suas histórias. Afinal, “O Golpista do Tindler” foi talvez o maior sucesso da empresa deste ano. Agora, as atenções estão voltadas para “Inventando Anna”, a história de uma jovem que, com sua grande capacidade de ler a alma alheia e de mimetizar os comportamentos que cativam o auditório por ela escolhido, ganhou o mundo, após cativar o coração de Nova York.

A questão é que, além de roubar os corações, Anna “roubou” dinheiro também.

Acerca da verdade sobre os fatos, a Netflix afirma que: “É tudo verdade, exceto pelas partes que são completamente inventadas. Uma história real produzida por Shonda Rhimes e sua shondaland. 🥲 Minha nova série Inventando Anna já está disponível.”

O diretor Shonda Rhimes escolheu não contar a história de Anna Delvey somente a partir do ponto de vista da criminosa. A trama também não é contada de forma linear, com os primeiros episódios focando na criação do artigo que deu origem à série e que transformou a golpista em uma celebridade. A responsabilidade da personagem Vivian Kent, nome fictício dado à jornalista pelo artigo jornalístico, ficou nas mãos de Anna Chlumsky, que se mantém em destaque ao longo dos episódios.

A maior parte da trama gira em torno não de Anna, mas da investigação sobre Anna, dando maior enfoque à perspectiva da jornalista e pouco fazendo ver da personagem Anna.

Sobre isso, a própria golpista teria comentado, conforme publicado no site Hugo Gloss: “Depois de 4 anos de visitas e horas de conversas no telefone, a série sobre a minha a história é contada sob a perspectiva de uma jornalista.”

Bem compreendemos a decepção de Anna, afinal, a imagem por vezes quase caricata emprestada à sua personagem não agradou a muitos. Afinal, queríamos ver o gênio, a sagacidade, o cerne da capacidade manipulatória da moça e disso pouco vimos.

Ainda enquanto estava cumprindo a sua pena, Anna recebeu 320 mil dólares da Netflix pela produção da série com a sua história, direito este gasto com pagamento de multa e despesas com advogados. Ela foi presa em 2019 e cumpriu cerca de 3 anos e meio de uma pena estipulada como de 4 a 12 anos. Ela foi solta em fevereiro do ano passado.

Contudo, seu visto de permanência nos Estados Unidos venceu e ela foi conduzida à cadeia e hoje encontra-se na prisão Orange County, em Nova York, aguardando extradição.

Assista ao trailer da minissérie:

RECOMENDAMOS






Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!