Homens como Nelson Mandela, ocorrem uma vez por século. Uma vida voltada a exaltar os melhores dos valores, visando a liberdade não somente de si, mas de toda sua nação.

Sem dúvida um homem de poder, um “animal político” até os ossos. Mas, quase contraditório, um exemplo de tenacidade. De coragem e bravura surpreendentes, uma vida de muitas batalhas aparentemente ‘impossíveis’ e muitas conquistas.

Após realizar uma transformação histórica sem precedentes em seu país, se despediu da vida e virou símbolo inspirador.

“Aprendi que coragem não é ausência de medo, mas o triunfo sobre ele. O valente não é aquele que não sente medo, mas aquele que supera esse medo ”

-Nelson Mandela-

Solidão

Aos seus 44 anos, Nelson Mandela foi condenado à prisão perpétua na penosa prisão da Ilha Robben, na África do Sul, pelos crimes de sabotagem e outras acusações relacionadas à subversão. Ele lutou incansavelmente para acabar com o regime segregacionista ‘apartheid’ no seu país.

Nos seus primeiros nove anos de prisão, ficou totalmente isolado de todos, proibido de falar, poderia somente fazer uma visita de meia hora a cada seis meses e escrever no máximo duas cartas por ano.

Poucos anos antes de entrar na prisão, sua primeira filha morreu enquanto ainda amamentava. Já preso, teve que enfrentar a morte de seu primeiro filho homem, devido a um acidente de carro

Lá, nessa lamentável situação, ele venceu sua primeira batalha: não sucumbiu perante tanta dor e solidão, que martelavam essa sua cabeça pensante em todo momento. Pelo contrário, trabalhou seus pensamentos e os direcionou para o bem maior, começou a traçar uma nova maneira de enfrentar sua luta e se formou como advogado estudando por correspondência.

Nas longas noites de solidão e confinamento, surgiu um Nelson Mandela renovado, que refletia sabedoria e serenidade, com uma estratégia inovadora que poderia mudar tudo. Não era matando brancos que os negros poderiam ocupar o lugar de dignidade que lhes fora negado. Propôs uma mudança com base na persuasão, negociação, e na tolerância.

Liberdade

Após 27 anos de prisão, foi finalmente libertado em fevereiro de 1990. Trabalhou muito para convencer seus companheiros de prisão de ideias pacíficas, crescendo sua ideia em número e importância.

Sua força política passou também a ser espiritual e logo ele se tornou o líder espiritual de seu país. A legitimidade de sua luta tornou-se inquestionável. Sua força era a força das ideias. E ele foi capaz de derrotar todo o ceticismo.

Em negociação com presidente Frederik de Klerk, foi feita a democratização da África do Sul. Juntos, eles ganharam o Prêmio Nobel da Paz em 1993. Já no ano seguinte, as eleições de 1994 elegeram Nelson Mandela como o o primeiro presidente negro da história de seu país.

“O mal é algo que as circunstâncias, o ambiente ou a educação instilam ou ensinam aos homens; não é inato ”

-Nelson Mandela-

Nelson Mandela, uma daquelas pessoas que deixa um mundo melhor do que aquele que existia quando nasceram.

Fonte indicada e adaptada: A mente é maravilhosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Mariana Ribeiro
É amante de sagas, sonha ser cineastra e é do tipo que chora rios inteiros lendo livros. Já coleciona 14 primaveras, escreve poemas, ama Raul e Legião.