Conheça este belo poema de José Carlos Rodrigues.

O ESCULTOR

As minhas mãos perfuram o barro
Ficam os rodeios de uma vida sem transparência
Peço clemência a tudo isto que me agarro
Um nada sem consistência.

Quero poder conseguir desenhar
O teu olhar
Esculpi-lo depois num pedaço em bruto no barro
Depois um nariz, uma boca
Um rosto inteiro para que possa beijar

Sei que a minha vida irá acabar aqui
Só peço a Deus que não me deixe ficar sem ti
Mesmo que me tire o dom desta arte
Tu és um mundo à parte que irá sobreviver em mim.

Os dias correm
Eu próprio construo a tua liberdade
Cada toque é saudade
Quero te dar vida para que me leves
Para além de qualquer vontade

Sou um escultor que desconhece
Os teus segredos
Apenas sou eu próprio
O teu criador
O homem que dá vida à tua pele
E aos teus cabelos
Cada toque, cada promessa
Feitos com amor

José Carlos Rodrigues, escritor e poeta português.

Ouça o poema, aqui declamado pelo próprio escritor:

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!


COMENTÁRIOS