Não faz muito tempo que o britânico Robert Glynn foi diagnosticado com câncer do ducto biliar e ouviu da boca dos médicos que só teria mais 12 meses de vida. Quem diria que hoje ele não está apenas curado da doença, como se tornou paciente referência no tratamento graças à efetividade de um remédio experimental.

Robert tem 51 anos e vive na vila de Worsley, na cidade de Salford (Inglaterra).

Em entrevista à imprensa local, ele disse que “aproveitou a chance” de participar de um experimento de imunoterapia no The Christie de Manchester, instituição que mantém o Hospital Christie, um dos maiores centros de tratamento deste tipo de câncer no continente europeu.

Leia tambémFilme futurista? Não. Arma especial da PF derruba drone sobre Esplanada na posse de Lula

O britânico, que trabalha como soldador, foi diagnosticado em 2020, dias depois de ir ao médico sentindo dores insuportáveis no ombro. Após uma série de exames de sangue para verificar uma possível infecção na vesícula biliar, descobriu-se o câncer.

Infelizmente, o diagnóstico do tumor intra-hepático das vias biliares (já em estágio avançado) ocorreu apenas um dia antes do aniversário de 49 anos de Robert.

Transferido para o hospital The Christie, Robert teve a oportunidade de participar do ensaio clínico de uma droga de imunoterapia experimental sem nome, combinada com quimioterapia padrão.

O tratamento foi um sucesso, reduzindo consideravelmente seus tumores no fígado e na glândula adrenal e permitindo uma cirurgia de remoção final.

Para surpresa dos médicos, os tumores estavam com seus tecidos mortos, dado que o tratamento foi eficaz o suficiente para matar todas as células cancerígenas.

“Eu me sinto muito sortudo porque tive o câncer por dois anos e não fazia ideia, então ficar tudo limpo foi esmagador.  […] Você faz tudo o que pode para prolongar sua vida”, disse Robert.

À BBC, o professor e especialista Juan Valle, da Christie’s, responsável por conduzir o estudo, disse que os resultados da pesquisa e de outro estudo maior foram “muito esperados por colegas em todo o mundo”.

“Podem levar a uma mudança na forma como tratamos pacientes como Robert no futuro”, disse Juan, exaltando a eficácia da combinação de drogas em combate aos tumores avançados.

Desde a remissão do câncer, Robert mudou totalmente seu estilo de vida. Nos últimos meses, ele cortou de vez o consumo de alimentos processados, perdeu cerca de 31 quilos e aproveita grande parte do tempo com a esposa, Simone, praticando exercícios, caminhadas e curtindo a natureza.

“Percebi que você não pode confiar apenas nos médicos para ajudá-lo, você também precisa se ajudar”, concluiu.

Leia tambémGeneral Mourão convoca rede nacional de TV e rádio para este sábado

Fonte: Metrópoles

Compartilhe o post com seus amigos! 😉






Gabriel tem 24 anos, mora em Belo Horizonte e trabalha com redação desde 2017. De lá pra cá, já escreveu em blogs de astronomia, mídia positiva, direito, viagens, animais e até moda, com mais de 10 mil textos assinados até aqui.