Publicado originalmente em Mujer Guru

O amor da minha vida sou eu. E dizer isso em voz alta não é um ato de egoísmo ou arrogância, é um reflexo que todos nós devemos internalizar todos os dias como alguém que começa suas manhãs com uma boa xícara de café.

Não é egoísta quem se atende, quem resolve seus medos, quem cura suas feridas, quem deixa para trás o que lhe causa dano e enfrenta o amanhã com otimismo e resistência. Porque se eu estiver bem, poderei dar o melhor de mim aos outros. Eu serei capaz de ser feliz e oferecer felicidade.

Eu não preciso ser melhor que ninguém, não preciso ter o que você tem. Ser eu mesma já me basta e me sobra até. Ser eu o amor da minha vida para oferecer-lhe o melhor que vive na minha alma quieta, no meu coração sereno desprovido de ódios ou rancores.

Ainda que nos surpreenda, não é fácil chegar a esse estado em que se é capaz de amar a si mesmo em plenitude e sem limitações. De certa forma, estamos quase acostumados a priorizar não apenas as necessidades dos outros, mas muitas vezes, nos “aderimos” às coisas como se fossem nossa única identidade: um emprego, uma casa, dinheiro …

Há muitas dimensões que são cobertas camada após camada com uma capa onde, pouco a pouco, perdemos essa essência que é o amor por si mesmo.

Porque nunca devemos esquecer que, se você está bem, o mundo está vai bem. Se seus pensamentos, se suas emoções não vibram com essa harmonia interior que é o respeito por si mesmo, sua realidade será distorcida. Hoje em nosso espaço, convidamos você a refletir sobre isso.

Eu tinha esquecido: o amor da minha vida sou eu

Talvez em algum momento você esqueça que o amor da sua vida era você, porque davas muita prioridade a outras pessoas. Ou talvez também possa ser, que você nunca tenha sabido disso, que desde sua infância projetaram em você uma insegurança e valores onde você nunca foi priorizado como pessoa.

Sempre chega um momento em que precisamos nos livrar das coisas, das pessoas, das situações … Alguns a chamam de egoísmo, mas eu chamo de amor-próprio.
Ter autoestima não é algo que é ensinado nas escolas, na verdade, é um aspecto que todos nós descobrimos pouco a pouco como alguém que encontra uma arma de poder que ninguém havia falado antes. Por que isso geralmente acontece?

• Em nossa sociedade nos educam e nos transmitem o necessário valor de amar e respeitar os outros, o que é, sem dúvida, algo essencial.

• No entanto, não é comum incutirmos a necessidade de nos amarmos. Às vezes, priorizar a si mesmo não é algo visto com bons olhos, e quando uma criança tem reações dessa natureza, logo relacionam como um ato de egoísmo infantil.

• O amor-próprio, simplesmente pensar que eu sou o amor da minha vida, não é um ato de egoísmo. Não a partir do momento em que essa dimensão se concentra em construir e proteger nossa autoestima.

• Ninguém se ama porque se considera melhor que ninguém, ou com melhores méritos, ou com mais direitos. Amamo-nos para nos proteger, para nos conhecer melhor, para que nada e ninguém nos manipulem, para saber o que queremos e o que não queremos.

• O amor-próprio é um sentimento que não deve nos envergonhar. Não é apenas uma ferramenta para o bem-estar interno, é manter um equilíbrio para empatizar e respeitar os outros.

Estratégias para lembrar que o amor da minha vida sou eu

Quaisquer que sejam as circunstâncias que nos levaram a esquecer que o pilar de nossas vidas somos nós mesmos, nunca é tarde demais para recuperar essa amarração. Esta força interior com a qual, retorna ao nosso equilíbrio para ser feliz, e ser capaz de oferecer bem-estar para aqueles que amamos. Para aqueles que realmente merecem isso.

Ao percorrer os caminhos da sua vida, você descobrirá que o importante não é quantas coisas você tem, mas o que vale …

Convidamos você a tomar nota de uma série de aspectos sobre os quais refletir. Respire e pense neles com cuidado, para lembrar sem hesitação que, de fato, o amor de sua vida é você.

• Manter um diálogo interno: analise quais aspectos e situações cotidianas violam sua autoestima e levam você para longe de quem você realmente é. Talvez você deva deixar certas coisas e até mesmo algumas relações específicas.

• Tenha empatia consigo mesmo: É comum termos empatia com todos muito mais do que temos por nós. Entendemos a situação dos outros, a dor deles, as necessidades deles … mas e a nossa? O que você diria a si mesmo se estivesse diante de você?

• Você é autêntico, único e irrepetível. Não é um slogan, não é uma frase. É uma realidade que você deve começar a acreditar a partir de hoje. Você tem virtudes, características e uma essência que o tornam único neste mundo e, portanto, importante.

Atreva-se a amar a si mesmo e a dedicar-se ao que você merece, porque amar a si mesmo não é de forma alguma deixar de amar os outros. É se reconhecer e se fazer feliz, porque quando você começa a ser feliz, as melhores coisas da vida chegam até você.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!