O amor é o mais puro dos sentimentos, mas ao mesmo tempo é mais professado sem senti-lo. Muitas vezes com intenções doentias, outras vezes pela mera ignorância do que significa amar.

Quando um “eu te amo” é pronunciado sem o devido respaldo, é como entregar um bilhete que não vale nada, uma mentira, torna-se um engano para aqueles que o recebem e acham que tem algum valor.

Obviamente, às vezes sentimos que amamos alguém e depois percebemos que era uma mera ilusão ou podemos simplesmente sentir que esse amor não é mais assim e se extinguiu dia após dia, tristeza após tristeza, decepção após decepção. E isso é válido, o amor pode ser transformado e, mais ainda, quando não é um amor incondicional, pode morrer.

Mas sempre que pronunciamos essa poderosa frase devemos realmente tentar senti-la, pois quando não é assim, tudo cairá sob seu próprio peso, porque além das palavras, há as ações que sustentam os sentimentos, há interesse, cuidado, detalhes, as carícias e olhares que quando há amor, são responsáveis por trazê-lo para fora.

As más intenções, mais cedo ou mais tarde, são descobertas e, além de prejudicar aqueles que se enganam com o falso “eu te amo”, há o efeito gerado naqueles que as produzem. Quem diz que eu te amo sem sentir, com a intenção de obter algum tipo de benefício está diminuindo o mérito a que isso significa em sua vida, está tomando vulgar a energia que nos nutre.

As mentiras têm rotas curtas, mas com retorno difícil e podemos perder pessoas muito especiais por não sermos honestos e sinceros em relação aos nossos sentimentos e o que queremos em um relacionamento.

Aprenda a usar as palavras certas, garantindo que nenhuma delas prejudique quem as aborda, sendo honesto com os outros e especialmente com nós mesmos. Nós não somos forçados ou pressionados a amar ninguém, e muito menos a manifestar o que não sentimos, então não há necessidade de nos cobrirmos com mentiras e fingir ocupar espaços que sabemos que não nos pertencem.

Vamos pensar que o que semeamos, vamos colher, para aprendermos a reconhecer nossos sentimentos e a chamar as coisas pelo seu nome, evitando assim gerar danos desnecessários nas pessoas para as quais somos importantes.

Por: Sara Espejo – Mujer.Guru

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!