Olhos que não vêem, coração que não sente ” diz um antigo provérbio. No entanto, negar a evidência e olhar para o outro lado não costuma ser a melhor estratégia, mas pode nos levar a tomar decisões erradas que depois acabamos lamentando.

A este respeito, o filósofo Ayn ​​Rand disse: ” podemos fugir da realidade, mas não podemos fugir das conseqüências de fugir da realidade .” É por isso que, em vez de ignorar os fatos e simplesmente sentar e esperar que a vida decida em nosso lugar, a coisa mais inteligente a fazer é aprender a estabelecer uma distância psicológica.

O que é distância psicológica?

Nós não percebemos um evento da mesma forma quando ele se desenvolve mais perto de nós do que quando ocorre à distância. Quando os eventos ocorrem muito próximos, respondemos com um nível mais alto de ativação emocional, pois percebemos que podemos estar diretamente envolvidos na situação. Quando elas ocorrem mais, nos sentimos mais calmos e o nível de envolvimento emocional é muito menor.


Portanto, a distância psicológica é o espaço subjetivo que percebemos entre nós e as coisas, eventos ou pessoas. É uma experiência de separação egocêntrica, na qual nos tornamos o ponto de referência, a partir do qual vemos as coisas em perspectiva, como se fôssemos uma terceira pessoa não envolvida na situação ou, ao contrário, estamos envolvidos no nível. intelectual e emocional. A capacidade de ajustar a distância psicológica é muito importante para a vida, como demonstrado por um estudo desenvolvido na Universidade de Michigan.

Siga a Revista Pazes no Instagran e no Facebook

Esses psicólogos descobriram que, quando assumimos uma distância psicológica, não apenas somos mais propensos a reconhecer os limites de nosso conhecimento, mas também aceitamos a probabilidade de que o futuro mude. Na prática, a distância psicológica nos permite ser mais humildes e autoconscientes, sendo ao mesmo tempo mais flexíveis e abertos à incerteza, características-chave para nos tornarmos pessoas sábias e equilibradas.

Os dois níveis de análise de distância psicológica

Todos os eventos podem ser localizados em uma linha imaginária com relação a nós, em um extremo nós colocamos o “absolutamente distante” e no outro o “absolutamente próximo”. Com base nisso, ativamos um nível de processamento, que pode seguir duas rotas: baixa ou alta. Ambos são ativados inconscientemente, mas os aplicamos dia após dia.

O caminho alto

Quando um evento está distante no tempo, no espaço, difere da nossa esfera social ou é muito improvável que aconteça, nós o processamos de uma maneira “alta”. Ou seja, trabalhamos com uma representação abstrata, simples, estruturada e descontextualizada, porque estar “longe” simplesmente nos impede de acessar uma imagem mais precisa ou não nos motiva a nos aprofundarmos no que está acontecendo.

O interessante é que, quando a “linha” é ativada, temos a tendência para aplicar esse nível de processamento de todas as informações recebidas relacionadas com o incidente. Ou seja, nós aplicamos um esquema mais vago e geral a todos os que, de uma forma ou de outra, está relacionada com a situação que percebemos como distante.

Pesquisas sobre decisões de poupança para a aposentadoria sugerem que, embora as pessoas saibam que devem economizar mais para o futuro, elas gastam muito e economizam muito pouco. Isso se deve ao fato de que a aposentadoria é processada pela alta via, pois é percebida como algo muito distante. E tudo relacionado a essa questão também é processado da mesma forma, então não achamos necessário tomar ações concretas aqui e agora, apenas adiá-lo. Esse é um dos efeitos da distância psicológica.

O caminho baixo

Se os eventos estiverem mais próximos no espaço e no tempo, nos sentimos identificados com eles ou é provável que ocorram, ativamos o “caminho inferior”. Isso significa que construiremos representações tão concretas quanto possível, complexas, desconstruídas e descontextualizadas. É precisamente isso que fazemos com toda a informação importante da nossa vida.

Quando algo é relevante, geralmente é um fato muito concreto, mas ainda se estende a muitas áreas de nossas vidas e geralmente acabava -se com um pouco complexa, mas icky o que está acontecendo idéia, porque estamos a explorar diferentes opções para tentar a encontrar uma explicação satisfatória.

Se um relacionamento vai mal, estaremos tão emocionalmente envolvidos com o que acontece que vamos processá-lo no caminho. Achamos difícil assumir uma distância psicológica e refletir objetivamente sobre a situação que estamos vivendo. Todos os eventos ligados a esse relacionamento irão sobrecarregar nossas mentes gerando caos e confusão, mas não seremos capazes de avaliá-los adequadamente, porque as emoções nos impedem de fazê-lo.

Como ajustar os diferentes níveis de distância psicológica?

A distância psicológica manifesta-se em diferentes níveis, cada um com um efeito concreto sobre o nosso comportamento e emoções, fenômeno que estuda a teoria do nível construtivo. Esses níveis podem ser ajustados para assumir uma atitude mais objetiva, analisar nossos vieses cognitivos e o nível de envolvimento emocional na situação. Na maioria dos casos, é necessário aumentar a distância psicológica, mas em outros momentos devemos diminuí-la para realizar uma análise mais concreta e sensível do problema.

– Distância Social. A distância social é aquela que existe entre nós e os outros, que é encurtada quando somos capazes de nos colocar no lugar do outro e ser empáticos. Pelo contrário, prolonga-se quando usamos uma linguagem mais abstrata e despersonalizada, ou quando não somos receptivos ao seu discurso e não validamos suas emoções.

– Distância Temporária. A distância temporal é medida em termos de passado, presente e futuro. Tem sido demonstrado que quando estabelecemos prazos mais curtos somos mais produtivos, somos menos sobrecarregados e acabamos obtendo melhores resultados. A estratégia psicológica para gerenciar adequadamente a distância temporal é visualizar o futuro. Por exemplo, se você se sentir preocupado com um projeto que deve entregar, imagine que já o tenha entregue. Concentrar-se em resultados imediatos ajudará você a relaxar e obter melhores resultados.

Distância Espacial. A distância espacial é uma das mais fáceis de manipular. Por exemplo, foi demonstrado que quando você se afasta de você, um objeto diminui seu interesse, mas se você se aproxima dele, seu interesse aumenta. É um truque particularmente interessante para fazer dieta, mas colocar uma distância entre a pessoa com quem você estava discutindo também permitirá que você se afaste um pouco do problema e se acalme.

– Distância Experiencial. A distância experiencial é medida pela distância entre o que imaginamos e esperamos e o que finalmente vivemos. Quanto maior essa lacuna, maior a frustração e a raiva podem ser. Pelo contrário, quanto menor, maior a nossa satisfação. A maneira de manipular essa distância é manter nossas expectativas à distância. Estar disposto a viver experiências sem expectativas é a melhor maneira de tirar o máximo proveito da distância experiencial.

O interessante é que, cada vez que você ajusta um nível, você encurta ou prolonga a distância psicológica, de modo que você pode se envolver mais na situação ou, ao contrário, assumir uma perspectiva mais objetiva. Dependendo da situação e das suas estratégias de enfrentamento, você pode jogar com as diferentes distâncias para tomar as melhores decisões a cada momento.

Fontes:
Kross, E., & Grossmann, I. (2012) Aumentando a Sabedoria: Distanciando-se das Auto-Aprimoramentos Raciocínio, Atitudes e Comportamentos Sábios. Revista de Psicologia Experimental: Geral ; 141 (1): 43-48.
Fiedler, K. et. Al. (2012) Sobre as relações entre aspectos distintos da distância psicológica: Uma base ecológica da teoria do nível de construção. Jornal de Psicologia Social Experimental ; 48 (5): 1014-1021.
Trope, Y. & Liberman, N. (2011) Teoria do Nível Construcional da Distância Psicológica. Psychol Rev ; 117 (2): 440-463.

texto traduzido e adaptado do site Rincón de la Psicología

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!


COMENTÁRIOS