O que a família, as autoridades e todos nos queremos entender é: como uma criança de apenas 9 anos embarca sozinho, sem passagem aérea, sem documentos e sem malas e de Manaus, só é notado ao chegar em Guarulhos – Sao Paulo?

Foi o que ocorreu com Emanuel Marques de Oliveira, de 9 anos, que fugiu de casa e foi dado como desaparecido no último sábado, dia 26.

A polícia investiga o caso e já solicitou as imagens do sistema de segurança do aeroporto de Manaus. O menino não tinha passagem aérea, documentos e malas. O menino contou como fez o percurso e conseguiu embarcar.

O garoto afirmou à polícia que agiu sozinho, sem ajuda de qualquer adulto e que havia pesquisado na internet como entrar em um avião sem ser notado. Disse ainda que fez tudo isso porque queria morar em São Paulo, com outros familiares.

A mãe, Daniele Marques. eletricista, relatou ao g1 como deu falta do menino:
“Acordei às 5h30, fui ao quarto dele, e vi que ele estava dormindo normalmente. Depois mexi um pouco no celular e levantei novamente, já às 7h30, quando percebi que ele não estava mais no quarto e comecei e me desesperar.”

Desesperada, a mãe registrou a ocorrência policial do desaparecimento de Emanuel. Foi apenas às 22 horas daquele mesmo dia que ela teve as primeiras notícias do paradeiro da criança.

“Assim que eles me contaram que ele estava lá [no Aeroporto de Guarulhos], avisei a delegada. Os policiais até perguntaram se eu podia ir buscá-lo, mas eu disse que não teria como fazer isso, e sim queria que a empresa Latam retornasse com o meu filho”.

Após vencerem entraves burocráticos, Emanuel voltou para a sua família no dia 28.

O garotinho não tem histórico de violência familiar e, para os policiais, continuou afirmando que apenas queria morar com familiares de São Paulo.

A mãe relatou a fala do menino sobre o trajeto:
“Ele me disse que pegou alguns ônibus aleatórios aqui de casa [no bairro Tarumã-Açu] até chegar no aeroporto. Depois olhou no painel o horário dos voos, e entrou em um deles. O meu filho passou por três vistorias sem que alguém notasse que ele estava sozinho, sem documentação nem bilhete de embarque”

Trata-se, sem dúvida, de um episódio que coloca em xeque a segurança do aeroporto de Manaus e deve ser investigado a fundo para que tais vulnerabilidades sejam detectadas e solucionadas.

Apesar de todo o susto, ainda bem que a história de Emanuel pode ser classificada como “uma aventura com um final feliz”.

RECOMENDAMOS






Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!