Carlos Alberto de Nóbrega se emocionou ao falar sobre Jô Soares, morto, na madrugada desta sexta-feira (5), aos 84 anos. O humorista de A Praça É Nossa relembrou os anos de amizade com o comediante e explicou que preferiu não dar entrevistas para falar sobre a morte do apresentador, pois quis viver esse luto de uma maneira mais reservada.

Visivelmente emocionado, o ator relembrou os laços de carinho e amizade com o Jô: “Queria que o meu choro fosse só meu, porque a vida não é só sucesso, não é o dinheiro, é o que a gente planta, são as amizades que a gente tem. Chorei, não a morte do maior gênio que surgiu na televisão brasileira, não conheci ninguém mais culto do que o Jô. Chorei o amigo”.

O humorista relembrou algumas história que viveu com Jô Soares. Ele contou que, quando tinham por volta de 20 anos, compraram cada um carro, e um veio quebrado e o outro pegou fogo. O humorista também lembrou que, anos mais tarde, durante a ditadura militar, ele ajudava o amigo a esconder livros que eram proibidos pelo regime.

“Chorei coisas que a televisão nunca viu. A simplicidade e o respeito que o gênio tinha pelo redator que estava mal começando. Nós nunca disputamos uma liderança, só que a vida nos separou”, completou Carlos Alberto.

RECOMENDAMOS






Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!