Texto de Valeria Sabater
Pequenos detalhes constroem vidas inteiras. Existem aqueles que não percebem, há aqueles que não são capazes de ver o esforço por parte de outras pessoas para tornar sua existência mais fácil, fornecer luz naqueles dias sombrios e desfazer nós antes que eles se fortifiquem. Existem aqueles para quem as pessoas boas passam despercebidas.

Boas pessoas não carregam banners ou e não costumam falar muito sobre si mesmas, porque às vezes cometem o erro de negligenciar um pouco e olhar mais para as necessidades dos outros que para si. Mas eles não percebem. É a sua essência, a sua maneira de ver o mundo: elas se doam aos outros.

Costuma-se dizer que essas pessoas nos entregam a verdadeira felicidade. Por outro lado, aqueles mais complicados e bilaterais que geralmente nos trazem tristezas, nos ofertam também algo muito necessário: a experiência. Acredite ou não, ambos são partes indispensáveis ​​desta vida.

Quantas pessoas boas você guarda em sua vida? O universo decidiu que pessoas iluminadas fizessem parte do seu dia a dia e enriquecesse você com as suas palavras e com aquela humildade sutil que não conhece o egoísmo.

Além disso, você também pode ser uma daquelas pessoas acostumadas a “dar à luz aos outros” , de quem eles desejam acima de tudo a felicidade deles, cuidando de todos os detalhes, todas as situações. Você está olhando para desenhar sorrisos em rostos familiares, e não … Nem você pede nada em troca. Porque é da sua natureza, porque é a sua maneira de entender a vida.

Os grandes corações são conhecidos com nos pequeninos detalhes

Eles podem não ter dedicado esses pequenos detalhes que deixam seu coração feliz por muito tempo. No entanto, é possível que, quando menos se espera, alguém o surpreenda, fazendo-lhe um favor que você não esperava ou mesmo se preocupando com você de uma maneira tão sincera que você sequer consiga compreender a razão.

Às vezes, a bondade humana nos deixa sem palavras e nos alegramos com atos de pessoas anônimas que, sem levar asas nas costas, trazem pó de fada nos bolsos para dar felicidade aos nossos caminhos …

Costuma-se dizer que a melhor homenagem que pode ser feita às pessoas boas é imitá-las . Contudo, nem todos podem fazer isso. É que não é todo mundo que sabe como praticar a bondade humana. Então, a verdadeira questão que nos vem sobre isso seria: as pessoas boas nascem ou se fazem boas ao londo da vida?

Da neurociência, há muitas vozes que defendem a tendência inata do ser humano para com o bem. Seria algo enraizado em nossa biologia e que exalta a psicologia positiva.

Experiências precoces, estilos parentais, contexto social e educacional e experiências subseqüentes, poderiam fazer com que essa tendência natural sofresse as consequentes variações.

O ato de dar, de oferecer, de ajudar e cuidar, deve ser ele mesmo um ato capaz de oferecer felicidade e equilíbrio interior. No entanto, não há muitas pessoas que adquiram essa capacidade.

A arte da bondade como exercício de empatia
Boas pessoas sequer estão conscientes da capacidade de ter empatia pelos seus pares. Eles sentem as dores do mundo e as internalizam como suas. Por isso procuram todos os dias alcançar esse equilíbrio externo para se sentirem bem consigo mesmos.

Sua bondade é altruísta e é oferecida por nada. Para eles, o tempo não existe, suas prioridades são relegadas e não há distâncias e ainda menos demandas ou censuras.

Na huumildade, onde os detalhes são importantes
Quem nasceu com um coração humilde sabe muito bem a grandeza que se esconde por trás dos detalhes. Ele sabe que um gesto, uma carícia, algumas palavras de encorajamento e o saber ouvir, fazem muito mais do que qualquer bem material.

Não acumule coisas, não fique priorize o mundo material. Cerque-se de pessoas boas que tornam seu mundo mágico e, se você não conseguir encontrá-las, torne-se uma delas.

Boas pessoas também podem se cansar de ser assim
De fato, se ao longo de sua vida você praticou a maravilhosa arte de abrir seu coração para os outros, de se preocupar em dar o seu melhor todos os dias para aqueles ao seu redor, é possível que em algum momento você tenha atingido o limite. E virá, é claro, porque , embora as pessoas boas não queiram receber nada em troca, elas devem ser reconhecidas . A razão?

Quem não é reconhecido não é valorizado.
Quem não é valorizado entra no abismo da “não-existência”. Às vezes, outras pessoas podem se acostumar com suas boas ações, aceitá-las como garantidas e os pedidos se tornam demandas.
Quem não encontra valor para seus esforços acabará se desgastando como um tecido que não pode dar mais de si mesmo. E sua força ou beleza não importa, porque as pessoas boas também podem acabar quebrando.

Não permita isso. Cuide das pessoas boas ao seu redor como seus ativos mais preciosos. E cuide-se, sem nunca hesitar em estabelecer limites e sem cair no erro de que, ao dizer “não” ou “basta”, você deixa de ser uma alma nobre.

Imagens cortesia de Lucy Cambell, Aidan Heune e Marion K.
Este texto foi adaptado do site La Mente És Maravillosa

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!