Por Ilene S. Cohen

“Somos cativos de nossa própria identidade, vivendo em prisões de nossa própria criação.” ~ Theodore Bagwell

Você já pensou que tinha que fazer o que as outras pessoas esperavam que você fizesse ou elas não amariam você?

Você já se sentiu egoísta por querer colocar suas necessidades em primeiro lugar, ou culpado por estabelecer limites com as pessoas de quem gosta?

Você aprendeu que, mesmo quando cumpriu os desejos e caprichos de todos, eles ainda não estavam felizes e você também não estava?

Bem-vindo ao engano das pessoas agradáveis. Bem vindo à história da minha vida.

Não há tragédia maior do que estar vivo e não sentir isso porque você está entorpecido, indiferente e sem emoção. Por muitos anos eu vivi assim, mostrando todos os sinais de estar viva, mas nunca vivendo verdadeiramente. Isso é porque eu sentia um forte desejo de dar tudo de mim mesma para poder devolver ao mundo tudo que recebi.
Levei um tempo para identificar a peça que faltava e que me impedia de experimentar verdadeiramente a minha vida: eu não estava vivendo como a pessoa que eu realmente queria ser. Eu estava vivendo minha vida para agradar os outros, fazê-los felizes e seguir as regras da sociedade.

Eu pensava que estava fazendo a coisa certa; Eu realmente acreditava, “Eventualmente, todo esse trabalho altruísta me trará a felicidade que eu mereço em uma bandeja de prata.” Mas isso nunca funcionou dessa maneira. Parecia que quanto mais eu fazia, menos sentia satisfeita.

Minhas primeiras experiências de vida moldaram-me em ser uma pessoa que só agrada os outros. Embora eu fosse grata por tudo que me foi dado, também estava ciente de que tinha nascido em circunstâncias familiares difíceis. Agradar aos outros era a minha maneira de lidar com isso.

Como a maioria das crianças pequenas, tudo o que eu queria era ganhar a atenção e a aprovação de meus pais. Mas o elogio era um recurso escasso na minha casa, e meus pais prontamente distribuíram críticas. Eu rapidamente me tornei ciente de como minhas ações os afetavam, então eu agi de maneiras a buscar aprovação e suprimi meus sentimentos a fim de evitar punições.

Eu não queria ser criticada ou repreendida na frente dos outros, então eu me tornei a criança, adolescente e adulta dos sonhos dos meus pais. Eles ainda encontravam falhas às vezes – o que me esmagava -, mas eu finalmente fazia tudo que podia para compensar isso.

Essa armadilha em que eu caíra se aprofundou quando meus pais se divorciaram. Eu tentei apaziguar os dois, colocando-me no meio de sua batalha conjugal e protegendo meus irmãos de terem que suportar o peso de sua raiva. Tornei-me a mediadora de meus pais, e essa forma de comunicação me levou a uma profunda depressão que ninguém conhecia além de mim.


Eu perdi muito peso, minhas notas caíram na escola e não sentia mais prazer em atividades que eu gostava. Enfrentei com coragem e de modo que meus irmãos não percebessem ou tivesse que sentir o mesmo que eu. Eu me convenci de que essa era a minha maneira de cumprir meu dever como filha e evitar críticas.

Crescer nessas circunstâncias me levou a acreditar que eu era responsável por como os outros se sentiam. Eu aprendi a moldar minha personalidade, comportamentos e reações de acordo com o que outras pessoas queriam ou precisavam de mim, em vez de serem autênticas de como eu realmente sentia.

Por causa das reações muitas vezes extremas dos meus pais às situações, passei a acreditar que precisava mudar; mas a verdade é que a reatividade deles era responsabilidade deles.

Sua identidade
Eu costumava me identificar como uma pessoa legal, boa e altruísta, que sempre estava acomodando os outros.

Quando me identifiquei como tendo certos atributos de personalidade, isso ditou minhas ações e me levou a acreditar que precisava agir de determinadas maneiras para corresponder ao padrão da sociedade de como uma pessoa legal e boa se comporta.

Mesmo quando minhas ações não estavam alinhadas com a maneira que eu realmente queria viver minha vida, eu me encontrava obedecendo de qualquer maneira. Eu trabalhava duro para evitar parecer egoísta, desinteressante ou desagradável, e evitava o confronto a todo custo.

Parei com esse padrão quando percebi que ser uma pessoa boa é muito mais complexo do que simplesmente acomodar as necessidades dos outros o tempo todo.

Quando eu percebi que o meu modo de viver em função de agradar os outros era consequências de educação errada, que me fora introduzida através de medo e culpa, decidi deixar de agir assim e passei a viver a vida pelos meus próprios termos.

Foi aí que comecei a evoluir do altruísmo para o autocentrado. Foi quando desconstruí minha identidade de como agradar às pessoas e reestruturei minha vida. Foi aí que decidi que viver minha própria vida era mais importante do que a aprovação de meus pais.

Se você sente necessidade de agradar os outros, aqui estão algumas ideias para apoiar a sua mudança.

Você vê, tendemos a chamar as pessoas que exibem esse padrão de comportamento para agradar as pessoas, capachos ou pessoas que buscam aprovação. Nós os descrevemos como sendo altruístas. Pessoas que agradam raramente dizem não, são super responsáveis, passam a maior parte do tempo fazendo para os outros e são vistas como os tipos mais agradáveis de pessoas.

Na superfície, pode parecer que agradar às pessoas é a coisa certa a fazer; mas com o tempo, essa identidade desgasta uma pessoa, e todo esse prazer se transforma em um padrão de comportamento doentio que na verdade não acaba agradando ninguém a longo prazo.
1. Entenda que outras pessoas são responsáveis por si mesmas.
Ser uma pessoa que agrada me fazia ignorar um fato importante: outras pessoas são responsáveis por si mesmas e por seus próprios problemas.

Em algum ponto da estrada, decidi que os problemas das outras pessoas eram meus problemas. Eu acreditava que era minha responsabilidade fazer as outras pessoas se sentirem melhor. Desde que me lembro, fiz o papel de zelador em minha vida; mas tudo o que me ocorreu foi um fardo de obrigação e ansiedade incapacitante.

É importante lembrar que você não é responsável pela forma como os outros se sentem ou agem. Se você tentar agradar as pessoas porque tem medo de suas reações, isso é um sinal de que você precisa começar a fazer uma mudança.

Veja, quando você assume as responsabilidades de outras pessoas, você está permitindo que elas continuem agindo de forma irresponsável; você está permitindo e promovendo seus padrões insalubres.

Da próxima vez que você estiver inclinado a aceitar as coisas de outra pessoa, pergunte a si mesmo: assumir as responsabilidades dessa pessoa realmente me faz uma boa pessoa? Será que é realmente bom impedir que as pessoas se apropriem de suas próprias vidas?

É provável que você descubra que a resposta é não, e então pode explorar como dar suporte sem assumir completamente.
2. Pare de tentar manter a paz.
Eu costumava me perguntar por que eu estava cercado de pessoas egoístas; Da minha perspectiva, todo mundo era o problema. Mas na minha jornada para a auto-plenitude, percebi que eles não eram o problema; Eu era.

Ao tentar manter a paz em meus relacionamentos, eu estava negligenciando as maneiras pelas quais outras pessoas estavam se aproveitando de mim. Eu ignorei suas prioridades distorcidas porque eu achava que deveria tocar bem o tempo todo.

É importante ter em mente que, às vezes, a escolha melhor e mais amorosa é a mais incômoda, provocando ansiedade. O comportamento verdadeiramente amoroso exige limites, limites e dizer não de vez em quando.

Algumas pessoas vão ficar chateadas com você, virar a cara e até fazer birras e chantagens emocionais, mas o custo de se anular para atender aos caprichos dos outros é muito maior que essas reações dos insatisfeitos. Então, aprenda que a paz dos outros não pode custar a sua infelicidade. É melhor ser sincero e expor seus limites no trato com as outras pessoas e elas têm que aceitar e entender.
3. Conhecer as consequências de buscar aprovação.
Viver sua vida com medo de críticas e rejeição não permite que você viva de verdade. Constantemente censurar a si mesmo não permite que você veja a liberdade de escolha que você realmente tem. Quando você procura aprovação o tempo todo, você não está realmente crescendo.

Meu comportamento de busca por aprovação resultou da crença de que minha saúde mental dependia do meu gosto; se as pessoas não gostassem de mim, eu não me sentiria digna. A consequência disso foi que meu valor como pessoa dependia totalmente do que outras pessoas pensavam de mim. Qualquer crítica me fazia sentir horrível comigo mesma, então evitei isso agindo de forma a obter a aprovação de outros.

Eu finalmente quebrei esse padrão, colocando mais valor na busca de aprovação de mim mesma. Ao descobrir quem eu era e o que eu valorizava, fui capaz de criar um senso de identidade mais forte. Quando você sabe quem você é e aceita a si mesmo, as críticas de outras pessoas não incomodam muito você.
4. Torne-se autossuficiente.
Se você está preso ao ciclo de agradar às pessoas, provavelmente acha que é egoísmo considerar suas necessidades primeiro. Uma vez que você mude sua ideia do que significa ser uma boa pessoa, como eu fiz, você verá que não é egoísta – mas sim autossuficiente – para se colocar em primeiro lugar.

Muito do meu desejo de mudar veio de perceber que, se eu não começasse a me valorizar, meus relacionamentos seriam prejudicados. Embora possa parecer contra intuitivo, priorizar suas necessidades e ganhar um forte senso de identidade é realmente melhor para outras pessoas, porque serve para fortalecer os relacionamentos que você tem com elas.

É por essa razão que colocar suas necessidades em primeiro lugar é ser autossuficiente, em vez de egoísta. É sobre ver seu valor e conhecer seu valor como pessoa. Quando você faz isso, os outros podem começar a ver seu valor também, e seus relacionamentos podem começar a se transformar.
Pensamentos finais
A jornada para a autossuficiência é toda sobre tentativa e erro. É sobre cometer erros, mudar seus comportamentos e afirmar suas próprias decisões.

Comecei a me sentir feliz e verdadeiramente viva quando comecei a me conhecer, aprendendo quando dizer não e quando estabelecer limites em meus relacionamentos. Não foi fácil. Eu tive que me acostumar com algumas críticas e decepções; Eu tive que crescer uma espinha dorsal mais forte. No entanto, posso dizer sem hesitação que valeu a pena. E sei que valerá a pena para você também.

Sua vida deve ser vivida do jeito que você quer viver. Ninguém deve ter o poder sobre você para ditar como você precisa viver sua vida. Quanto mais você souber quem você é, e quanto mais corajosamente você começar a viver a vida nos seus termos, melhor você se sentirá sobre si mesmo.

Eu já não tomo decisões por medo ou para não sofrer de ressentimentos mais tarde. Agora eu faço coisas para as pessoas porque eu quero, não porque eu vou me sentir culpada se não fizer isso. Eu não preciso mais de outras pessoas para me fazer sentir digna; Eu dou essa sensação de dignidade a mim mesma, conhecendo e aceitando quem eu sou.

Vai servir muito deixar de lado a ideia de que as pessoas precisam de proteção e é sua responsabilidade oferecer isso. Em algum ponto da estrada, você internalizou a mensagem de que tem que ser responsável por como os outros se sentem. Mas a verdade é que você não é responsável pelos sentimentos de outra pessoa, mas por você mesmo.

Você não pode ter uma vida saudável e feliz se estiver ocupado demais gerenciando seus sentimentos e os sentimentos de outras pessoas ao mesmo tempo. Lembre-se, as pessoas podem cuidar de si mesmas. Essa ideia deixará espaço para você cuidar de si mesmo também.

Créditos da capa: pixabay/nastya_gepp

FONTEFonte Tiny Buddha
COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS


Revista Pazes
Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!


COMENTÁRIOS