Por Jennifer Delgado
Acreditamos que a vida deve ser justa. Acreditamos que pessoas “boas” merecem coisas boas e que pessoas “más” devem ser punidas. Acreditamos que, se fizermos boas obras, o universo terá a obrigação de devolvê-las a nós. Acreditamos que existe uma certa justiça universal que dá a todos o que todos merecem.

Sem dúvida, a vida seria infinitamente melhor se as coisas fossem justas. Seria ótimo se pudéssemos sempre conseguir o que trabalhamos ou se o universo de alguma forma recompensasse nossas boas ações. Infelizmente, a vida não é justa . E quanto mais cedo assumirmos isso, melhor.

Quando o senso de justiça se transforma em um pensamento mágico
O pensamento mágico é característico de crianças pequenas, mas os adultos não são imunes a essa forma de pensar. O pensamento mágico ocorre quando fazemos atribuições ilógicas de causalidade sem evidências empíricas para apoiá-las, como quando acreditamos que nossas idéias ou expectativas podem ter consequências diretas no mundo externo.

Nossa crença de que o mundo é justo pode facilmente se transformar em pensamento mágico. Por exemplo, um estudo conduzido no Fisher College of Business descobriu que, quando somos clientes habituais de uma empresa, acreditamos que temos mais probabilidade do que outros de ganhar um prêmio nessa empresa. Esse fenômeno, conhecido como “lealdade feliz”, é baseado na ideia de que merecemos um prêmio por nossa lealdade. É um pensamento mágico porque não leva em conta as probabilidades estatísticas.

Essa mesma crença é o que nos leva a investir no carma. Em outro experimento conduzido na Universidade da Virgínia, psicólogos avaliaram que, em uma feira de empregos, pessoas que foram levadas a acreditar que o processo de procura de emprego estava fora de seu controle se ofereceram para doar mais dinheiro para uma instituição de caridade. não relacionado a quem dá trabalho, em comparação com aqueles que foram levados a acreditar que encontrar um emprego dependia deles.

Mais tarde, os candidatos a emprego que foram levados a acreditar que sua busca estava fora de seu controle ficaram mais otimistas sobre suas perspectivas de emprego quando deram dinheiro para instituições de caridade do que aqueles que não o fizeram. Isso significa que, no fundo, eles acreditavam que o universo recompensaria suas boas ações. Claro, ser otimista não é uma coisa negativa, mas sentar e esperar que o mundo nos recompense não é garantia de bons resultados.

Pensar que a vida deve ser justa nos conforta, mas também tem um lado negro
Todos nós temos um profundo senso de justiça que pode ser prejudicado de várias maneiras. Embora seja importante lutar para criar um campo de jogo mais justo e equitativo na vida, há momentos em que essa sensibilidade não ajuda muito no longo prazo. Portanto, às vezes é valioso manter nosso senso de justiça, mas às vezes devemos ser maduros o suficiente para desistir da crença de que a vida deve ser justa.

A crença de que o mundo deve ser um lugar justo e equitativo nos dá confiança e segurança. Ele apóia nosso equilíbrio psicológico. Na verdade, entre os sobreviventes do terremoto de Sichuan em 2008, no qual quase 90.000 pessoas morreram, aqueles que perderam familiares e amigos tinham maior probabilidade de acreditar que a vida é injusta. No entanto, aqueles que continuaram a acreditar que o mundo era justo sofreram menos ansiedade e depressão, como mostrou um estudo conduzido na Universidade de Pequim.

No entanto, acreditar que a vida é justa também tem um lado sombrio. Albert Ellis, por exemplo, estava convencido de que existem três monstros que nos impedem de seguir em frente: “ Tenho que fazer bem, tem que me tratar bem e o mundo deve ser fácil ”. Essa psicóloga estava convencida de que a crença de que a vida deveria ser justa se torna, na verdade, um obstáculo que gera infelicidade.

Na verdade, essa crença pode até nos levar a ser mais insensíveis, preconceituosos e injustos. Um estudo conduzido na Purdue University revelou que as pessoas que acreditam na justiça universal têm menos probabilidade de contratar um candidato que foi demitido. Isso porque eles acham que deve haver um motivo, que aquele candidato foi, de alguma forma, punido por mau comportamento ou ineficiência. Obviamente, nem sempre é esse o caso.

Expectativas irrealistas nos condenam à frustração
Quando acreditamos que os outros devem se comportar de maneira agradável ou que não devemos encontrar obstáculos em nosso caminho, estamos na verdade alimentando expectativas irrealistas. Mais cedo ou mais tarde, a realidade nos fará ver que não é assim, que as coisas não funcionam assim e que às vezes a vida é injusta.

Então ficaremos frustrados. Quando crianças, nos sentiremos confusos, magoados e desorientados, nos perguntando o que aconteceu. Não podemos entender um mundo caótico sem justiça aparente e ordem em que coisas ruins acontecem a pessoas boas e vice-versa.

Nesse ponto, podemos ficar extremamente desapontados, tristes ou com raiva. No entanto, a verdade é que esses sentimentos geralmente não são úteis para retificar uma situação injusta. Pelo contrário. É provável que em mais de uma ocasião essas emoções tenham piorado a situação, porque turvam nossa mente racional e nos impedem de encontrar estratégias assertivas para lidar com o que está acontecendo.

Na verdade, existem pessoas que podem carregar essa dor, decepção e raiva por anos, o que vai acabar amargurando sua vida completamente. Essas pessoas se apegam às suas mágoas e erros, tornando-se vítimas eternas das injustiças da vida. Eles vão ao redor do mundo lamentando que “a vida é injusta comigo! ”. Nesses casos, obviamente, o senso de justiça não nos ajuda. Em vez disso, torna-se uma fonte de angústia.

Aceite que a vida é injusta e siga em frente
Albert Ellis observou que “ até a injustiça tem aspectos positivos. Ele nos desafia a sermos o mais felizes possível em um mundo injusto . ” Ser feliz, sentir-se realizado e completo quando o mundo vai bem e nos recompensa não tem mérito. O verdadeiro mérito consiste em desenvolver as ferramentas psicológicas que nos permitem manter a paz interior no meio da tempestade, quando o mundo é extremamente injusto.

Quando coisas ruins acontecem conosco, podemos gastar toda a nossa energia reclamando de como a vida é injusta ou podemos aceitar essa obviedade e seguir em frente. Se o universo não contabilizou adequadamente nossas boas ações, nada podemos fazer a não ser aceitá-las.

Ellis explicou que “ realidade não é tanto o que acontece conosco, mas sim o que pensamos sobre os eventos que criam a realidade que vivenciamos. Isso significa que cada um de nós cria a realidade em que vivemos ”. Temos um enorme poder de construir pensamentos, sentimentos e ações que podem nos ajudar a viver de forma mais equilibrada ou, ao contrário, que nos levam a comportamentos autodestrutivos.

Aceitar que a vida não é justa não significa permitir que todos nos pisem ou violem nossos direitos. Devemos também ser capazes de estabelecer limites, seguindo nosso senso de justiça e direito. Só precisamos ter cuidado para que esse senso de justiça não se torne uma faca de dois gumes, porque podemos facilmente perder a perspectiva e travar uma batalha que se perdeu de antemão ou nos envenenar com a amargura da mágoa.

A noção do que é justo é sedutora, mas devemos ser pragmáticos. Teremos mais facilidade em lidar de forma assertiva com uma reclamação quando aceitarmos a “ aparente” desigualdade na vida. Podemos acreditar que os tribunais foram criados para nos proteger e fazer justiça. Isso está bem. Mas também devemos estar cientes de que às vezes o sistema de justiça pode ser bastante injusto.

Às vezes, só temos que abandonar esse desejo de encontrar sentido em tudo, uma ordem por trás do caos que explica o que nos recusamos a aceitar: que coisas ruins acontecem a pessoas “boas” e pessoas “más” acontecem. coisas boas.

Em suma, precisamos entender que insistir teimosamente na crença de que a vida é injusta comigo inevitavelmente aprofundará nossa dor ou raiva e nos atrapalhará na mágoa, impedindo-nos de seguir em frente.

Fontes:

Walker, R. et. Al. (2014) Lucky Loyalty: The Effect of Consumer Effort on Predictions of Randomly Determined Marketing Outcomes. Journal of Consumer Research ; 41 (4): 1065-1077.

Risen, JL et. Al. (2012) Investing in Karma: When Wanting Promotes Helping. Ciências psicológicas ; 23 (8): 923-930.

Xie, X. et. Al. (2011) Crença em um mundo justo ao encontrar o terremoto de 5/12 Wenchuan. Ambiente e comportamento ; 43 (4): 1-21.

JENNIFER DELGADO SUAREZ
“Sou psicóloga. Por profissão e vocação. Divulgador científico em tempo integral. Neurônio agitador e gerador de mudanças nas horas vagas.”

Imagem de Pezibear por Pixabay

RECOMENDAMOS






Uma revista a todos aqueles que acreditam que a verdadeira paz é plural. Àqueles que desejam Pazes!